Política

Menores de idade e pessoas que já morreram. Assinaturas do Chega sob suspeita de falsificação

3.863

Mesmo tendo aprovado a criação do partido liderado por André Ventura, os juízes do Tribunal Constitucional consideraram que indícios de assinaturas consideradas irregulares "não são tranquilizadores".

Os fundadores do Chega garantiram que a maioria dos problemas eram meros lapsos de escrita ou constrangimentos legais e que fizeram a recolha de assinaturas de "boa-fé"

João Relvas/LUSA

Do Simão que afinal não nasceu em 2000 e tem apenas oito anos ao senhor Adelino que já morreu e, se fosse vivo, teria 114 anos. Estes são dois exemplos que, segundo os juízes do Tribunal Constitucional (TC), fazem parte de um conjunto de assinaturas que foram consideradas irregulares na altura da criação do Chega, partido liderado por André Ventura, e que levaram o Ministério Público a pedir acesso ao processo, por considerar que podem existir indícios da prática de crimes como a falsificação ou contrafação de documentos.

Segundo noticia a TSF, que teve acesso à decisão do TC, os juízes consideraram que os indícios neste processo “não são tranquilizadores” relativamente à forma como as assinaturas foram obtidas e como é que tantas foram consideradas irregulares nas duas fases em que a candidatura foi analisada (cerca de 2.600).

Na primeira vez em que o Chega entregou as assinaturas necessárias para ser considerado um partido, foram apresentadas 8.312 assinaturas de eleitores, mas apenas 6.499 assinaturas foram consideradas válidas. Esta amostra, conta o TC, permitiu perceber que “além da falta de coincidência entre os números de cartão de cidadão e os nomes dos respetivos titulares, de entre os registos não validados encontram-se igualmente múltiplos casos de subscritores menores de idade ou já falecidos”. Numa segunda apresentação de assinaturas, foram entregues mais 2.223, sendo que 826 foram consideradas irregulares.

Depois de detetadas as primeiras irregularidades, os fundadores do Chega garantiram que a maioria dos problemas se tratavam de lapsos de escrita ou constrangimentos legais e que fizeram esta recolha de assinaturas de “boa-fé”, acreditando na veracidade dos dados dos subscritores.

Foi ainda este mês que o Tribunal Constitucional decidiu aceitar a inscrição como partido político do Chega, o 24.º partido político criado no país.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida
105

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)