Rádio Observador

Bloco de Esquerda

Nuno Melo: BE devia preocupar-se com “vergonha” de pedir a morte de Bolsonaro

2.688

À margem de um evento de campanha, Nuno Melo criticou o silêncio do Bloco de Esquerda sobre os cânticos anti-Bolsonaro entoados por vários deputados do partido durante as celebrações de 25 de abril.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O vice-presidente do CDS-PP, Nuno Melo, desvalorizou este domingo a exigência de Catarina Martins, que defendeu a proibição de deputados em sociedades de advogados, considerando que a líder bloquista se deve preocupar com a “vergonha” de pedir a morte de Bolsonaro.

A Catarina Martins devia começar por comentar a enorme vergonha, para mim como português, de se apresentar numa manifestação cantando, rindo e batendo palmas enquanto pede a morte de chefes de Estado eleitos democraticamente, de países amigos, como é o caso do Brasil”, afirmou o dirigente em declarações à margem de uma iniciativa política no Porto.

Em causa, o cântico entoado na quinta-feira pelo grupo do Bloco de Esquerda (BE) que desfilou na Avenida da Liberdade, em Lisboa, para assinalar o 25 de abril de 1974, altura que algumas figuras do BE foram filmadas a pedir a “Santo António para levar “Bolsonaro para ao pé do Salazar”. À data, o partido explicou que a referência era simbólica.

Nuno Melo comentava a ideia defendida, este sábado, pela coordenadora do Bloco de Esquerda que “considerou “absolutamente chocante” que a Assembleia da República ainda não tenha tomado uma medida de “absoluta sanidade básica” no sentido de impedir que um deputado “possa estar ao mesmo tempo numa sociedade de advogados a montar os esquemas com que alguém vai fugir à lei fiscal aprovada no país”.

Para Catarina Martins, “esta decisão é urgente e tem de ser tomada nos próximos tempos”. Para o vice-presidente do CDS-PP, o Bloco utiliza estes temas quando “lhe dá jeito”.

“Perceber que alguém que é líder de um partido que vem com essa conversa quando lhe dá jeito como veio com a gentrificação e com a especulação imobiliária para ter no Ricardo Robles a pior dessa especulação, tal como vem com essa conversa em relação aos advogados, mas depois em relação a chefes de Estado de países amigos e tão relevantes do ponto de vista geopolítico para nós desejando-lhe a morte, rindo de forma caricata, batendo palmas enquanto cantam esse pedido de morte isso é que Catarina Martins se devia concentrar”, defendeu.

E não apenas ela, continuou, a Catarina Martins como a “Marisa Matias que do seu lado, ria muito enquanto pediam a morte do Presidente Bolsonaro, isso sim devia preocupar-se”, concluiu. A Lusa tentou obter uma reação do Bloco de Esquerda, mas até ao momento sem sucesso.

Nuno Melo, também cabeça de lista às eleições europeias de 26 de maio, e Pedro Mota Soares participaram hoje, no Porto, numa ação de sensibilização para a práticas ambientais, sob o lema “Vem limpar a praia connosco/proteger o nosso Mar”.

Em declarações aos jornalistas, o dirigente criticou a taxa de execução do programa “Mar2020”, que de acordo com o eurodeputado “é miserável”. “O Mar2020 é um fundo que Portugal tem à sua disposição que devia utilizar e que está miseravelmente utilizado. Nós temos, neste momento, uma taxa de execução que rondará os 20% num final de um programa operacional que é de 2014 – 2020”, observou, assumindo como compromisso a defesa do alargamento da componente de limpeza de materiais poluentes nos programas operacionais.

No dia em que se realizam eleições gerais em Espanha, Nuno Melo desejou que aquele país possa encontrar estabilidade política e partidária, fator que considera ser importante para os bons resultados da economia Portuguesa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)