Porsche

Porsche culpada e multada no caso Dieselgate

Depois de alguns meses sob o olhar atento do procurador público de Estugarda, a Porsche foi considerada culpada no caso Dieselgate, sendo condenada a pagar uma multa total de 535 milhões de euros.

Após uma investigação morosa, o procurador público alemão da cidade de Estugarda chegou à conclusão que a Porsche era culpada no caso Dieselgate, que tem a ver com a utilização de sistemas destinados a enganar as medições de emissões nocivas nos seus motores a gasóleo. Isto motivou uma penalização total de 535 milhões de euros, em que 4 milhões dizem respeito a conduta negligente e 531 milhões a vantagens financeiras ilegais. A Porsche não contestou a acusação nem recorreu da sentença.

De acordo com a investigação, a marca alemã falhou nas suas obrigações num período que se iniciou em 2009 e foi esta falta de controlo que permitiu que os modelos do construtor com motores a gasóleo deixassem de cumprir os requisitos legais.

Em sua defesa, a Porsche alegou que “nunca desenvolveu ou produziu motores diesel” e que “ultimamente abandonou este tipo de motorizações”. Esta afirmação, especialmente a parte em que “nunca desenvolveu motores diesel”, colide com argumentos usados no passado, quando a Porsche fazia questão de sublinhar que embora utilizasse “motores diesel da Audi” , a “afinação final” era da sua responsabilidade, tanto mais que os motores utilizados nos modelos da marca eram mais potentes.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)