Rádio Observador

Sondagens

Crise dos professores ajudou António Costa a subir nas sondagens e fez Rui Rio descer

541

Na sondagem da Aximage, o PS de António Costa subiu nas intenções de voto, mas a grande diferença deu-se nas classificações dos líderes políticos. Rui Rio viu a sua avaliação descer quase um valor.

O PS a subiu 0,8 pontos nas intenções de voto para as eleições legislativas de outubro e também António Costa viu subir a sua classificação

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

É um avanço ligeiro, mas a ameaça de demissão de António Costa caso a contagem integral do tempo de serviço dos professores fosse aprovada no Parlamento parece ter ajudado o PS a subir 0,8 pontos nas intenções de voto para as eleições legislativas de outubro e a aumentar a própria classificação do primeiro-ministro. Pelo menos é o que mostra uma sondagem realizada pela Aximage para o Correio da Manhã e para o Jornal de Negócios, divulgada esta segunda-feira.

Segundo esta sondagem, que inquiriu 601 pessoas entre 3 e 8 de maio, o PS está agora com 35,4% das intenções de voto para as legislativas. Também o PSD conseguiu apenas mais 0,3 pontos em relação a abril, alcançando 27,6% das intenções de voto.

A principal mudança, no entanto, não se deu tanto no cenário dos partidos políticos mas sim nos seus líderes. António Costa foi o único líder partidário que subiu a sua nota de avaliação, estando agora com uma classificação de 9,8 valores, mais 0,4 pontos do que em abril. No entanto, continua a estar longe do 12,6 que teve em maio do ano passado. A acrescentar a esta subida, os números indicam que a maior parte dos portugueses inquiridos (52,8%) prefere o secretário-geral do PS para primeiro-ministro em vez de Rui Rio, que conta com 29,5% das escolhas. O presidente do PSD viu, aliás, a sua classificação descer quase um valor, para 7,4.

Na lista dos líderes que desceram a sua nota está também Assunção Cristas, líder do CDS, que registou uma queda percentual de quase dois pontos, estando agora com uma nota de 6,3 valores (a pior classificação de sempre) e acompanhando a descida do CDS em 1,1 pontos nas intenções de voto (7,4%). Já o Bloco de Esquerda conta com 7,9% das intenções de voto, sendo que também Catarina Martins viu a sua nota baixar 0,6 valores, para 8,2. Por fim, o PCP manteve praticamente as intenções de voto em 7,4%, bem como Jerónimo de Sousa manteve a mesma avaliação.

Na semana passada, uma sondagem também da Aximage indicou que 49% da amostra de inquiridos consideram que António Costa fez bem ao ameaçar demitir-se. 44% dos que responderam consideram, por outro lado, que António Costa procedeu mal, enquanto os restantes 7% não responderam.

Depois de o Governo ter decidido devolver parte do tempo de serviço congelado aos professores (cerca de três anos), todos os grupos parlamentares (menos o PS) aprovaram na especialidade a contagem integral do tempo de serviço dos professores (num remanescente de 6,5 anos), sem definir prazos e formas de o fazer. O diploma, entretanto, foi votado sexta-feira e, com o volte face nas posições dos partidos, foi chumbado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt
Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)