Rádio Observador

Google

Google, Intel e Qualcomm suspendem negócios com Huawei, após Trump colocar empresa na “lista negra”

924

Huawei perderá o acesso a atualizações do sistema operacional Android e a serviços como Gmail. China poderá ter de adiar rede 5G. Medida já levou empresa alemã Infineon a suspender alguns envios.

A Huawei continuará a ter acesso à versão do Android disponível através da licença de código aberto

MANUEL PESTANA MACHADO/OBSERVADOR

Depois de Donald Trump ter colocado a gigante chinesa de telecomunicações Huawei na lista negra, a Google suspendeu todos os negócios com a empresa que exigem a transferência de produtos de hardware e software — exceto os que estão cobertos por licenças de código aberto — avança a agência Reuters.

Não foi a única: as fabricantes de chips Intel, Qualcomm, Xilinx e Broadcom já terão comunicado também aos funcionários que, até ordem em contrário, todas as entregas à Huawei estão suspensas, avança a Bloomberg. Entretanto, a Nikkei Asian Review, que cita três pessoas próximas ao caso, avançou na tarde desta segunda-feira que também a fabricante alemã de chips Infineon Technologies decidiu suspender o envio de determinadas encomendas para a Huawei. A empresa, no entanto, ainda não veio confirmar oficialmente esta informação.

“A Infineon decidiu adotar uma medida mais cautelosa e parou os envios. Mas vai reunir esta semana para discutir [a situação] e fazer avaliações”, referiu uma das fontes à Nikkei Asian Review. Outra fonte disse que a fabricante alemã tomou esta decisão para evitar potenciais problemas legais enquanto avalia todo o caso. Não há informação sobre durante quanto tempo será esta suspensão.

As vendas da Infineon Technologies para a Huawei chegam a cerca de 100 milhões de dólares (cerca de 98 milhões de euros) e a suspensão deste negócio pode ter consequências sérias para a empresa tecnológica. A confirmar-se a suspensão, a Infineon torna-se na primeira empresa europeia a suspender os negócios com a Huawei e pode vir a influenciar outras empresas europeias e asiáticas a fazerem o mesmo.

As consequências para a gigante chinesa serão pesadas, explicou também à Bloomberg o analista Ryan Koontz, da Rosenblatt Securities, ou não fosse a Huawei “fortemente dependente de produtos semicondutores fabricados nos Estados Unidos, pelo que sem o fornecimento desses componentes-chave ficará seriamente debilitada”. Segundo o mesmo analista, este embargo “poderá fazer com que a China adie a implementação da rede 5G até que a proibição seja levantada, o que terá impacto em muitos fornecedores internacionais de componentes”.

Graças ao corte com a Google, a empresa chinesa perderá acesso a atualizações do sistema operativo Android. A próxima versão de seus smartphones fora da China também perderá acesso a aplicações e serviços populares, incluindo a Google Play Store e o Gmail, adianta a mesma fonte.  A Huawei continuará, no entanto, a ter acesso à versão do Android disponível através da licença de código aberto. Mas a Google deixará de fornecer suporte técnico e colaboração para os serviços do Android e da Google para a Huawei, escreve ainda a Reuters.

Estes rompimentos com a Huawei acontecem três dias depois de o presidente norte-americano ter declarado “emergência nacional” e emitido uma ordem executiva a proibir empresas do país de usarem equipamentos de telecomunicações de empresas estrangeiras consideradas de risco.

A ordem autorizou o Departamento do Comércio a impedir negócios que envolvam tecnologias desenvolvidas por “adversários estrangeiros” que a Casa Branca considera que estão a explorar vulnerabilidades nos serviços e infraestruturas tecnológicas de informação e comunicação dos Estados Unidos para espionagem ou sabotagem. O decreto presidencial dava 150 dias ao Departamento do Comércio para levar a cabo a medida, estabelecendo as proibições.

O Departamento do Comércio colocou também a Huawei na “lista negra” dos Estados Unidos, o que poderá impedir as empresas norte-americanas de venderem os seus produtos à gigante chinesa. Na prática, esta decisão exige que as empresas norte-americanas obtenham licença para vender tecnologia crítica à Huawei.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)