Rádio Observador

Execução Orçamental

Infraestruturas e Defesa lideram lista de cativações. Centeno ainda trava despesa de quase mil milhões de euros

372

Valores até março mostram que cativações pouco mudaram face ao mesmo período do ano anterior. Juntando a reserva orçamental, o ministério das Finanças garante que há redução de 69 milhões de euros.

TIAGO PETINGA/LUSA

Tem sido uma das críticas mais insistentes a Mário Centeno ao longo de toda a legislatura, com esquerda e direita a acusarem o ministro das Finanças de sacrificar o investimento nos serviços públicos em nome das metas do défice. A lista que alimenta essa discussão – publicada trimestralmente desde o ano passado por pressão do Parlamento – foi atualizada esta segunda-feira e mostra que as cativações aumentaram cerca de 10 milhões de euros face ao mesmo trimestre de 2018. No entanto, a Direção Geral do Orçamento (DGO) sublinha que, juntando a chamada “reserva orçamental” – que não tem uma finalidade pré-estabelecida -, os valores retidos foram inferiores em 69 milhões de euros.

O governo começou o ano a “guardar” um total de 1.073 milhões de euros (entre cativos e reserva), tendo desde então libertado 98 milhões. Até ao final de março, as cativações (622 milhões de euros) e essa “reserva orçamental distribuída pelos Programas Orçamentais para fazer face a eventuais necessidades de cada programa” (353 milhões), ainda representavam um travão de 975 milhões de euros de despesa pública até março, de acordo com o relatório de Execução Orçamental divulgado esta segunda-feira.

Dos 622 milhões de euros de cativos, adianta a DGO, “cerca de dois terços incidem essencialmente sobre despesas financiadas por receitas próprias, as quais dependem da respetiva arrecadação para se poderem concretizar”. E sublinha que “em 2018, a receita própria arrecadada ficou aquém do inscrito no orçamento dos serviços em cerca de 132 milhões de euros”.

O dinheiro restante diz respeito a receitas gerais, num total de 214 milhões de euros (0,7% do orçamento da Administração Central e 0,2% da Segurança Social).

A liderar a lista de cativações estão os Programas Orçamentais do Planeamento e das Infraestruturas (104 milhões de euros) e da Defesa (77 milhões de euros). Seguem-se a Justiça (63 milhões) e Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (59 milhões).

Tal como nos anos anteriores, não são alvo de cativações “diversas dotações de despesa, nomeadamente nos orçamentos do Serviço Nacional de Saúde, Escolas e Instituições de Ensino Superior”, ressalva ainda a DGO. Ainda assim, a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior tem em espera 46 milhões; o Ensino Básico, Secundário e Administração Escolar 24 milhões; e a Saúde 6 milhões.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vroliveira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)