Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As contas do Estado chegaram ao final de abril com um défice de 1259 milhões de euros, perto de 800 milhões de euros a menos do que no mesmo período do ano passado. Em comunicado, o ministério das Finanças afirma que o saldo orçamental é ajudado pelo aumento de 7,6% na receita fiscal (embora a receita total suba 4,5%), enquanto a despesa cresce 1,1%. É o primeiro mês do ano em que se regista défice, depois de três execuções orçamentais com saldos positivos.

Os impostos com maior impacto nas contas continuam a dar mais dinheiro ao Governo: a receita com IVA aumentou 8,8% e a do IRS 3,2%. O ministério das Finanças repete que a coleta fiscal sobe à boleia de um “bom desempenho da economia” e insiste que tudo acontece “apesar da redução da carga fiscal associada a vários impostos, tais como o IRS (pelo impacto da reforma do número de escalões), o IVA (pela diminuição da taxa de vários bens e serviços) e o ISP (pela redução da taxa aplicada à gasolina em 3 cêntimos)”. A receita de contribuições para a Segurança Social aumentou 8,4%, que o governo atribui ao aumento do emprego.

No caso da despesa, o aumento de 1,1% é justificado com o aumento nos salários (+4,7%), “refletindo o descongelamento das carreiras”. O ministério das Finanças destaca “os crescimentos expressivos na despesa com professores (4,3%) e profissionais de saúde (6,1%), superiores ao verificados nas restantes áreas”.

A evolução da despesa é ainda explicada “pelo crescimento das prestações sociais (4,8%), em particular o forte aumento da despesa com a Prestação Social para a Inclusão (40,5%)” e pela subida de 23,2% no investimento público, excluindo PPP. As Finanças indicam que “o crescimento do investimento foi particularmente forte na Administração Central (42,1%), onde se destaca o setor dos transportes (63%) – sobretudo com expressão na CP (65%) e no Metropolitano de Lisboa (132%) – e a Infraestruturas de Portugal com um crescimento de 91%”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR