Rádio Observador

Restaurantes

Entre cervejas e bifes, o painel de azulejos que é a última obra de Júlio Pomar

O mais recente restaurante da Portugália abriu em Alvalade, no espaço da antiga pastelaria Biarritz, e pode gabar-se de ter um painel de azulejos do famoso artista português.

A obra estende-se pelas paredes da sala de refeições desta casa.

D.R.

A inauguração da mais recente unidade das cervejarias Portugália, que fica no bairro de Alvalade, em Lisboa, reuniu uma autêntica multidão. “Não estava à espera que isto estivesse tão cheio”, comenta um senhor de fato enquanto beberica uma imperial. A marca portuguesa já conta com quase 30 estabelecimentos um pouco por todo o país e, talvez por isso, podia estranhar-se todo o alarido causado pelo que parecia ser “só mais uma” cervejaria azul e branca. Mas não, há aqui algo de especial: a última obra do histórico pintor português Júlio Pomar, um painel de azulejos.

“A nossa ligação aos azulejos é uma coisa que vem desde o início, 1925, e desta vez achámos que era altura de pegar de forma diferente naquilo que sempre fez parte do nosso ADN, pedindo a um artista português de renome que criasse uma obra para uma das nossas lojas. Queríamos fazer uma coisa intemporal” — É assim que Francisco Carvalho Martins, o CEO deste gigante da restauração, explica como surgiu este projeto. Pomar sempre teve ligação à marca portuguesa e isso tornou a escolha óbvia: “Nós não tínhamos a certeza de que ele fosse aceitar o nosso desafio, mas fê-lo na hora, para nossa surpresa. Ficámos muitíssimo felizes.”

Vista da entrada do novo restaurante Portugália, em Alvalade.

Dias depois da inauguração, o Observador falou com Alexandre Pomar, filho de Júlio, que discursou na abertura do restaurante. Por telefone, o crítico de arte explicou a longa ligação do pai com a marca de cervejarias, que vinha da amizade próxima que o artista mantinha com Manoel Carvalho Vinhas, histórico líder da Portugália e confesso apaixonado pela arte. “Eles tinham uma relação estreita, o Manoel Vinhas não era só um mecenas de artistas e de grupos de teatro, como também colecionava e comprava coisas do meu pai”, revela Alexandre.

Na altura, a “encomenda” foi feita a pensar noutro espaço que a empresa estava a pensar comprar, na Avenida António Augusto Aguiar, mas, depois, “por culpa de todo um conjunto de razões”, decidiram desistir desse negócio e virar-se para o bairro de Alvalade. Mais concretamente, o espaço da antiga pastelaria Biarritz — que a marca decidiu homenagear deixando o nome na calçada da esplanada –, e que era consideravelmente mais pequeno. “A obra do Júlio foi feito a pensar nessa primeira localização, mas depois fomos obrigados a adaptá-la para esta. O painel é maior do que o que está exposto aqui, tivemos de guardar uma outra parte que será aplicada no futuro, noutra unidade”, junta Francisco.

Esta conversa deu-se “algures em 2017”, Pomar já não estava bem de saúde na altura mas ninguém adivinhava que este pudesse ser o seu último trabalho. “A morte do Júlio foi muito triste, mas deu-nos uma carga de responsabilidade, a sensação de que temos de saber preservar esta obra de forma correta e condizente com o seu nível artístico”, acrescenta o CEO.

Num vídeo com o making of que foi sendo gravado à medida que o artista trabalhava vê-se que pintava com um marcador preso a um pau e que ia riscando uma folha enorme que estava no chão do seu atelier. O desenho “com motivos completamente abstratos” foi nascendo, e mal Júlio o deu por terminado seguiu para a lendária fábrica de azulejos Viúva Lamego, que daria outra vida ao desenho. “Ele [Júlio Pomar] já tinha trabalhado com a Viúva Lamego, desde os anos 50, creio”, revelou Alexandre, que explicou também ao Observador que o designer Henrique Cayatte ajudou o seu pai nesta obra, numa cooperação natural, “uma vez que já tinham feito umas obras de intervenção pública juntos”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)