Rádio Observador

Carlos César

Carlos César acusa Marques Mendes de ser um “comerciante político”

860

Depois de Marques Mendes afirmar que Carlos César tem em marcha um processo para se tornar presidente da Assembleia, o socialista acusou-o de utilizar o espaço de comentários para espalhar "boatos".

Carlos César refere que tem "cerca de 40 anos de exercício de cargos públicos", dos quais destaca o período em que assumiu as funções de presidente do Governo Regional dos Açores

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

O líder parlamentar socialista, Carlos César, acusou esta segunda-feira o conselheiro de Estado social-democrata Luís Marques Mendes de ser um “comerciante político”, aproveitando o seu espaço de comentário na SIC para “publicitar boatos e falsidades” para “atrapalhar” o PS.

No domingo, na SIC, Marques Mendes afirmou que Carlos César tem em marcha um processo para se tornar presidente da Assembleia da República na próxima legislatura, afastando deste cargo o antigo ministro e secretário-geral do PS Ferro Rodrigues.

Numa nota publicada no Facebook, Carlos César nada refere sobre o seu futuro político, escrevendo antes que o antigo líder do PSD “gosta de uma intriga”.

Como se diz na minha terra, gosta de enredar – e se puder atrapalhar a vida do PS mais satisfeito fica. Ele, ou quem o encomendou, está muito agitado pela possibilidade de eu poder ser o próximo presidente da Assembleia da República. Fico lisonjeado. Saberá, porém, a seu tempo, o que houver a dizer sobre isso, mas não sabe o mínimo agora para dizer o que disse sobre esse assunto”, sustenta o presidente do grupo parlamentar do PS.

Na nota, Carlos César acusa Marques Mendes de ser, “fundamentalmente, um comerciante político”. “No mesmo espaço comercial em que legitimamente dá as suas opiniões, ele publicita conscientemente boatos e falsidades, e, com a maior das facilidades, vai dizendo uma coisa e o seu contrário ao longo do tempo”, aponta o líder da bancada socialista.

Carlos César refere, depois, que tem “cerca de 40 anos de exercício de cargos públicos”, dos quais destaca o período em que assumiu as funções de presidente do Governo Regional dos Açores (1996/2012).

“Ao contrário do que sugere Marques Mendes, o meu currículo na política não é o resultado de escrutínios nos aparelhos partidários, mas, para além do meu empenhamento cívico, o resultado de sucessivas e muito expressivas votações dos meus concidadãos eleitores, particularmente desde 1996, sem trocas de favores, nem apoios ancorados na comunicação social. Até nesta última eleição para a Assembleia da República, cuja candidatura liderei, foi a única vez, na história eleitoral desde o 25 de Abril, que o PS ganhou nos Açores quando perdeu a nível nacional em eleições legislativas nacionais”, salienta.

O presidente do PS defende, em seguida, que não é o antigo líder do PSD que avalia os seus “méritos ou a falta deles, sejam eles de que natureza forem”. “No que toca à minha participação política futura e às minhas disponibilidades, são coisas que já sabem as pessoas que devem saber e nenhuma delas é Marques Mendes”, acrescenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Prioridades à la carte /premium

Alexandre Homem Cristo
386

Capaz de prometer tudo e o seu contrário, este PS de 2019, embriagado pela hipótese de uma maioria absoluta, não é diferente daquele PS de 2009, cuja soberba atirou um país para o abismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)