Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Médicos denunciam encerramento até terça-feira da maternidade de Portimão

399

Em declarações à Lusa, Sindicato Independente dos Médicos garante que o encerramento da maternidade, "deve-se à falta de médicos pediatras que assegurem os cuidados neonatais em presença física".

Sean Gallup/Getty Images

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denunciou este sábado o encerramento até terça-feira da maternidade do Hospital de Portimão (Algarve) por falta de médicos pediatras, ficando, segundo a administração hospitalar, garantidos apenas os partos eminentes e ou emergentes.

Em declarações à agência Lusa, o secretário-geral do SIM, João Roque da Cunha, disse que o encerramento da maternidade, “deve-se à falta de médicos pediatras que assegurem os cuidados neonatais em presença física”, sendo as grávidas encaminhadas para o Hospital de Faro.

“Não havendo médicos disponíveis para garantir os mínimos de segurança para as grávidas que ali recorram, manda a prudência que o serviço encerre, e é o que vai acontecer até terça-feira, altura em que a situação será reposta”, sublinhou Roque da Cunha.

Por seu turno, numa nota escrita enviada à Lusa, a administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), que integra os hospitais de Lagos, Portimão e Faro, reconheceu “dificuldades em assegurar os períodos da escala entre as 16:30 do dia 07 e as 09:00 do dia 11 de junho”.

“A carência de profissionais ao nível da especialidade de pediatria na unidade Hospitalar de Portimão é reconhecida. O conselho de administração tem trabalhado com empenho no sentido de garantir todas as escalas, no entanto por motivos alheios ao órgão de gestão, haverá dificuldade em assegurar períodos da referida escala”, justifica a administração do CHUA.

De acordo com entidade gestora dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) do Algarve, “foram adotadas internamente e de forma organizada com os seus próprios recursos, um conjunto de medidas que visam minorar os eventuais impactos da falta de especialistas nesta área”.

Assim, no Hospital de Portimão, até às 09:00 de terça-feira, apenas se realizarão os partos eminentes e/ou emergentes, sendo as grávidas em trabalho de parto “com condições de transferência em segurança”, encaminhadas para a Unidade Hospitalar de Faro.

Durante aquele período, as parturientes de risco internadas no serviço de obstetrícia, serão transferidas, de acordo com o protocolo clínico, para a Unidade Hospitalar de Faro, uma vez que é nesta unidade que se encontra a maternidade mais diferenciada, com apoio de uma Unidade de Cuidados Intensivos Neonatais.

Segundo a administração do CHUA, as crianças que necessitem de apoio mais diferenciado na especialidade serão encaminhadas, “tal como estipula o protocolo clínico, para a Unidade Hospitalar de Faro.

O CHUA garante que o atendimento no Serviço de Urgência Pediátrica da Unidade Hospitalar de Portimão “não será comprometido, estando assegurado pela equipa de clínicos gerais, com competências em pediatria”.

A administração do CHUA adiantou que face à reconhecida carência destes especialistas e a dificuldade em contratá-los, foram desencadeadas, “sem sucesso, algumas diligências, nomeadamente o pedido de cedência temporária ou partilha pontual de médicos pediatras junto de diversos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS), contactados mais de 50 pediatras através de empresas de prestação de serviços médicos, bem como foram desenvolvidos vários concursos que ficaram desertos, por falta de candidatos”.

O Centro Hospitalar Universitário do Algarve indicou que para fazer face a esta carência generalizada de especialistas em pediatria, “se encontra inteiramente disponível para contratar, de imediato, médicos pediatras”.

Segundo o secretário-geral do SIM, o encerramento destes serviços não é exclusivo do Algarve, verificando-se situações idênticas na área Metropolitana de Lisboa, exemplificando com o acionamento do plano de contingência “nos dias 01 e 03 de junho no Hospital Amadora/Sintra, o que quer dizer que durante a noite a maternidade esteve encerrada”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Liberal e de Direita /premium

Diogo Prates

Rejeito o mantra de esquerda “temos de perder vergonha de ir buscar a quem está a acumular dinheiro", antes acredito que o Estado não pode limitar as empresas naquele que é o seu papel: gerar riqueza.

Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)