Rádio Observador

Ministério Público

Joana Marques Vidal critica alterações no Conselho Superior do MP propostas pelo PSD e PS: põem “em causa a autonomia”

2.684

Joana Marques Vidal diz que se quer “dominar o Ministério Público porque se quer dominar os tribunais e os juízes”. E que não compreende as propostas do PS e do PSD para a composição deste órgão.

Joana Marques Vidal participou num jantar/debate esta segunda-feira, em Coimbra

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Joana Marques Vidal lançou fortes críticas às propostas de alteração da composição do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP). Durante um jantar/debate, organizado esta segunda-feira pela Comissão Justiça e Paz de Coimbra e pela Associação Cristã de Empresários e Gestores, a ex-procuradora-Geral da República considerou que as mudanças na estrutura do CSMP propostas pelo PS e PSD podem pôr em causa a autonomia do Ministério Público.

“Se o Ministério Público não tiver autonomia face aos outros poderes do Estado, como vem, aliás, na Constituição, não consegue ter autonomia para levar a julgamento quem devia levar”, declarou Marques Vidal, considerando que se quer “dominar o Ministério Público porque se quer dominar os tribunais e os juízes”. “É uma pescadinha de rabo na boca, está tudo ligado”, acrescentou nas declarações transmitidas pela SIC Notícias.

No final do ano passado, PS e PSD propuseram alterações à composição do CSMP. O PSD quer tirar a maioria de magistrados do Conselho Superior, passando a maioria dos membros daquele órgão de gestão e disciplinar dos magistrados a serem designados pelo poder político. O PS, por outro lado, deseja manter a maioria de procuradores, mas quer que os magistrados deixem de eleger, como elegem neste momento, a maior parte dos seus representantes.

Estas propostas levaram à marcação de uma greve pelo Sindicado dos Magistrados do Ministério Público (SMMP) em dezembro. Na altura, o presidente do SMMP, António Ventinhas, considerou que, com essa alteração, o CSMP passaria a ter a maioria dos seus membros designados pelo poder político, pondo em causa o “controlo do Ministério Público e da investigação criminal”.

Na opinião de Marques Vidal, o conjunto de propostas é “altamente preocupante” porque põe “em causa a autonomia”. “A composição do conselho tem de ser discutida partindo do pressuposto de que a sua composição não pode mudar de forma a que haja uma interferência em processos concretos. Senão, temos a possibilidade de ter o poder executivo ou outro a interferir nos processos. Isso não pode ser nunca”, afirmou.

Em Coimbra, Joana Marques Vidal admitiu não compreender o objetivo dos dois partidos e pediu transparência. “Quem está a propor deve vir dizer claramente porquê. E isso é o que não se entende — porque é que não assumem.” No final do debate, a ex-procuradora da República lembrou ainda, segundo a SIC Notícias, que as derivas autoritárias em vários países europeus começaram precisamente pela limitação dos tribunais, juízes e Ministério Público.

Artigo corrigido às 10h54 com as propostas do PS e PSD e o nome dos organizadores do jantar/debate no qual Joana Marques Vidal foi oradora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)