Rádio Observador

Alimentação

Sociedade de Endocrinologia pede à UE medidas para combater substâncias químicas

Em causa estão substâncias químicas que podem interferir no sistema endócrino do corpo, presentes em alimentos, cosméticos, móveis, produtos de limpeza, brinquedos e água potável.

Estudos associam os DQEs com distúrbios do desenvolvimento, autismo, transtornos da hiperatividade, obesidade e infertilidade

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

A Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo (SPEDM) apelou esta quarta-feira à União Europeia para que implemente medidas para combater a “ameaça” de substâncias químicas potencialmente nocivas para a saúde presentes em alimentos e produtos cosméticos.

Numa carta enviada na terça-feira ao ministro do Ambiente português, João Pedro Matos Fernandes, que esta quarta-feira vai estar presente na reunião do Conselho Europeu do Ambiente no Luxemburgo, a SPEDM apela à União Europeia que “passe à ação no combate à ameaça” daquelas substâncias químicas.

Em causa estão os Disruptores Endócrinos Químicos (DEQs), substâncias químicas que podem interferir no sistema endócrino do corpo, presentes em alimentos, cosméticos, móveis, produtos de limpeza, brinquedos e água potável.

“Embora parte do impacto sobre a saúde humana e animal permaneça desconhecida, evidências crescentes associam os DEQs a inúmeras doenças, às vezes letais”, realça a Sociedade.

Para ajudar a combater aquela “ameaça”, a SPEDM sugere várias medidas a nível legislativo e político em Portugal e na União Europeia que possam reduzir o impacto das DQEs na população.

Entre as medidas sugeridas está a “aplicação do princípio da precaução para todos os (potenciais) DEQs até que nova investigação possa determinar os efeitos exatos de pequenas e grandes concentrações de DQEs na saúde humana e animal”.

A Sociedade defende também a criação de uma definição comum para os DQEs que será “aplicada horizontalmente em todas as leis relevantes da União Europeia, em comparação com o regulamento sobre pesticidas”.

De acordo com a SPEDM, um “composto identificado como um DEQ ao abrigo da legislação da UE, não deve ser comercializado no mercado através de uma lacuna legislativa”.

A SPEDM defende que os regulamentos setoriais específicos “devem explicitamente exigir dados que permitam a identificação de DEQs conhecidos, presumidos e suspeitos, usados ou a serem usados em qualquer setor”.

Na missiva, é ainda recomendada uma aceleração dos métodos de testes atuais ou substituição de DEQs por alternativas mais seguras.

A Sociedade diz que a atual estratégia da União Europeia data de 1999 e está “claramente ultrapassada tendo em conta os progressos científicos alcançados nas últimas décadas.

“Apesar dos repetidos apelos feitos por grupos de consumidores, organizações científicas e numerosas ONG [Organizações Não Governamentais], a Comissão Europeia não tomou medidas suficientemente claras para essa estratégia”, é destacado.

Por isso, a Sociedade apela à UE que “adote conclusões em consonância com a resolução do Parlamento Europeu do passado mês de abril (a Comissão Europeia deve “tomar rapidamente todas as medidas necessárias para garantir um elevado nível de proteção da saúde humana e do ambiente contra os DEQs”), e instam a Comissão Europeia a renovar a estratégia relacionada com esta matéria”.

A SPEDM lembra ainda um estudo da UE que tem associado os DQEs com distúrbios do desenvolvimento, diminuição do Coeficiente de Inteligência, autismo, transtornos da hiperatividade, obesidade, cancro do testículo e infertilidade masculina.

É também associado a vários cancros raros (especialmente em crianças), osteoporose, doenças da tiróide, doenças metabólicas (por exemplo, diabetes, hipertensão e obesidade), defeitos congénitos e inúmeras outras áreas de doenças ou problemas de saúde

“Estima-se que o impacto financeiro dos DQEs seja de 157 mil milhões de euros por ano, ou seja, 1,23% do Produto Interno Bruto da União Europeia, devido às doenças descritas e à perda de produtividade”, é referido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)