Rádio Observador

Donald Trump

Trump diz que eventual guerra com Irão será curta e sem tropas no solo

O Presidente Donald Trump afirmou esperar que não haja guerra e sublinhou que, caso o conflito aconteça, os Estados Unidos estão “numa posição muito forte e [a guerra] não durará muito tempo”.

O Presidente Donald Trump adotou uma “linha dura” face ao Irão

OLIVER CONTRERAS / POOL/EPA

O Presidente norte-americano garantiu esta quarta-feira que os Estados Unidos terão uma posição de força em caso de conflito com o Irão e que se houver guerra será de curta duração e sem necessidade de enviar tropas para aquele território.

“Uma guerra contra o Irão não duraria muito tempo”, disse Donald Trump em entrevista ao canal de televisão Fox Business.

Afirmando esperar que não haja guerra, o Presidente Donald Trump sublinhou que, caso o conflito aconteça, os Estados Unidos estão “numa posição muito forte e [a guerra] não durará muito tempo”.

Trump também afastou a possibilidade de “enviar militares para o solo” em caso de guerra contra o Irão.

As relações entre Washington e Teerão têm estado muito tensas desde o ano passado, quando Trump decidiu retirar unilateralmente os Estados Unidos do acordo sobre o nuclear e restabelecer sanções ao Irão.

O acordo, assinado quando Barack Obama era Presidente dos Estados Unidos, envolvia os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (EUA, China, Rússia, França, Reino Unido) e ainda a Alemanha e destinava-se a travar os planos de construção de armas nucleares por parte do governo de Teerão.

Para ver as sanções económicas retiradas, em 2015 o governo iraniano acordou limitar drasticamente o seu programa nuclear e assegurar que não produziria armas nucleares.

O Presidente Donald Trump adotou uma “linha dura” face ao Irão, acusando-o de propagar o caos na região através dos seus aliados no Iraque e outros países.

Em maio deste ano, um ano após a decisão de Trump de abandonar o acordo, o Irão decidiu, por seu turno, suspender alguns dos compromissos a que estava sujeito pelo acordo nuclear de 2015, aumentando a produção de urânio enriquecido, mas arriscando mais sanções económicas.

Os EUA acusam o Irão de apoiar financeiramente movimentos ‘jihadistas’ em vários países árabes, nomeadamente na Síria, e consideram que Teerão tem vindo a procurar condições para ameaçar os interesses norte-americanos na região.

Em resposta a essas ameaças, os EUA enviaram um porta-aviões e uma força de bombardeiros para o Golfo.

A tensão voltou a aumentar quando o Irão derrubou um ‘drone’ [aparelho aéreo não-tripulado] norte-americano, que levou Washington a preparar ataques aéreos retaliatórios, cancelados à última hora.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse esta quarta-feira que a União Europeia “está a acompanhar a situação de perto e preocupada com a tensão na região do Golfo Pérsico”.

Na quinta-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, avisou os Estados Unidos para as consequências do uso da força contra o Irão, depois do seu homólogo norte-americano, Donald Trump, ter escrito na rede social Twitter: “O Irão cometeu um enorme erro”.

O Irão alega que o avião não tripulado de vigilância norte-americano estava em espaço aéreo iraniano e que foi alertado várias vezes antes de ser lançado um míssil contra ele.

Na terça-feira, o Irão anunciou que irá libertar-se “resolutamente” de dois outros dos seus compromissos no quadro do acordo internacional sobre o seu programa nuclear “a partir de 07 de julho” e disse estar cansado da “insolência” dos europeus.

A Europa adotou uma série de medidas de contraponto em relação às sanções económicas impostas pelos Estados Unidos desde maio de 2018, mas estas não têm sido eficazes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
128

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)