A direita atacou-o durante a campanha, pela sua ausência, mas Pedro Silva Pereira nunca apareceu. Nas ações de campanha das Europeias falaram o cabeça de lista, o número dois e o número quatro, mas do número três da lista do PS às Europeias nem sinal. Mas, se na campanha foi discreto, o ex-ministro socialista passa a ser agora o português com um cargo mais elevado nas instituições europeias: vice-presidente do Parlamento Europeu. Entre os 14 vice-presidentes eleitos, Pedro Silva Pereira foi o segundo mais votado com 556 votos.

A eleição ocorreu esta quarta-feira à tarde e confirmou aquilo que o Observador tinha noticiado a 21 de junho. Silva Pereira ocupa um cargo que já foi ocupado por portugueses como Francisco Lucas Pires (CDS), António Capucho (PSD), Pacheco Pereira (PSD), Rui Amaral (PSD), João Gomes Cravinho (PS) António Costa (PS) e Manuel dos Santos (PS).

Na manhã desta quarta-feira tinha sido tornada pública uma carta onde Pedro Silva Pereira apresenta a candidatura onde explica que não vê “a vice-presidência do Parlamento como um mero trabalho burocrático, mas antes uma posição política para defesa do projeto europeu e de uma democracia forte”. O antigo ministro socialista quer o papel do Parlamento reforçado para que “a vontade política dos nossos cidadãos possa ser totalmente respeitada”.

No mesmo texto, Silva Pereira recorda que geriu diversos “dossiês sensíveis” como “a recomposição do Parlamento para esta legislatura, a reforma do mecanismo de estabilidade europeu, os acordos comerciais com o Japão ou o financiamento para os objetivos do desenvolvimento sustentável”.

Na auto-avaliação que faz Silva Pereira diz que “em todas essas difíceis negociações” pensa “ter mostrado capacidade política de alcançar compromissos, mobilizar toda a gente e avançar com a agenda europeia.” E acrescentou: “Tenho a certeza que vamos precisar mais disto nos próximos anos.”

Depois de assumir funções, o novo presidente do PE presidirá à eleição dos 14 vice-presidentes. As candidaturas seguem as mesmas regras que as aplicáveis à presidência do PE. Silva Pereira foi indicado na reunião da bancada dos S&D na terça-feira à noite como um dos quatro candidatos socialistas às vice-presidências do Parlamento Europeu, o que à partida lhe garante a eleição.