Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Respostas no inquérito à Caixa. Sócrates conta “a verdadeira” razão para demissão de Campos e Cunha

Antes de as entregar à comissão de inquérito, José Sócrates antecipou parte das respostas à TVI. Diz que Campos e Cunha saiu contra a lei que obrigava a escolher entre salário e pensão.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

José Sócrates deverá responder esta quinta-feira por escrito às perguntas da comissão de inquérito à Caixa Geral de Depósitos (CGD). Mas esta quarta-feira a TVI avançou com algumas das respostas do antigo primeiro-ministro, em que Sócrates explica o que descreve como as “verdadeiras razões” que levaram à demissão de Campos e Cunha do cargo de ministro das Finanças que ocupou durante apenas quatro meses em 2005.

“É chegada a hora de responder às provocações desse Senhor e às mentiras que ao longo dos anos foi espalhando em público…e contar a verdadeira história da sua demissão”, escreveu o antigo primeiro-ministro, citado pela TVI. Segundo José Sócrates, as razões para a saída de Campos e Cunha não tiveram a ver com as discordâncias com programas de investimentos prioritários nem com administração da CGD, mas sim com a Lei Um Terço, uma lei que determina que os funcionários públicos aposentados mas a trabalhar passavam a ter de escolher entre um terço do salário e a totalidade da pensão ou vice-versa.

O então ministro das Finanças discordava desta lei, mas acabou por aprová-la. “O ministro estava justamente nessa situação (tinha uma reforma do Banco de Portugal). Esta foi a verdadeira razão da sua saída…razão essa que é conhecida por todos os que estavam no governo na altura”, escreveu José Sócrates nas respostas citadas pela TVI, em que desmentiu também qualquer pressão para mudar a administração da CGD e nomear Carlos Santos Ferreira e Armando Vara..

Finalmente quero desmenti-lo. Não é verdade que alguma vez tenha pressionado para mudar a Administração da Caixa Geral de Depósitos. Isso nunca passou de uma miserável falsidade e de uma pobre e lamentável encenação para justificar a sua saída do Governo”, justificou José Sócrates.

Esta resposta contraria o testemunho dado por Campos e Cunha já na primeira comissão de inquérito à recapitalização da Caixa em 2017, quando este afirmou ter sido pressionado por Sócrates para afastar a administração do banco público. Esta aliás não é a primeira vez que os dois trocam acusações e desmentidos a propósito deste tema.

Segundo José Sócrates foi o próprio ex-ministro das Finanças a querer substituir o então presidente Vítor Martins. “Dei-lhe carta branca, nunca lhe sugeri nenhum nome. O que aconteceu foi que o Ministério das Finanças não fez nada. A situação da instituição apodrecia. Vários membros do governo chamaram à atenção. É a isso que o antigo ministro chama maliciosamente “pressões”, explicou o antigo primeiro-ministro.

Já Teixeira dos Santos, o ministro das Finanças que veio a seguir e que logo demitiu a administração da Caixa, assegurou no Parlamento nunca ter sido pressionado por Sócrates na escolha dos gestores, tendo aliás referido que o então primeiro-ministro o alertou para o “ruído político” que causaria a nomeação de Armando Vara, ex-dirigente socialista para o banco do Estado.

Este é apenas um dos temas tratados nas respostas que o ex-primeiro-ministro quis que fossem divulgadas antes de serem enviadas à comissão de inquérito, porque também as mais de 80 perguntas que lhe foram dirigidas foram tornadas públicas antes de as receber. A TVI só revela uma parte destas respostas, para já, sendo que uma das mais de 80 perguntas a Sócrates — feita pelo PSD — é a de se recebeu dinheiro do BES/GES, Grupo Lena e Vale do Lobo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)