Rádio Observador

Brexit

Partido Trabalhista fará campanha pela permanência do Reino Unido na UE para impedir saída sem acordo

124

Jeremy Corbyn revelou que o principal partido da oposição vai fazer campanha para a permanência do Reino Unido na União Europeia e desafia futuro líder a propor votação pública do novo acordo.

ANDY RAIN/EPA

O líder do partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, anunciou esta terça-feira que o principal partido da oposição vai fazer campanha para o Reino Unido ficar na União Europeia (UE) num novo referendo ao Brexit.

A posição é o resultado de uma consulta com membros do governo sombra, deputados, sindicatos afiliados e o comité executivo do Labour e também de militantes, mas só será aplicada se o sucessor de Theresa May tentar sair da UE sem um acordo, ou com um acordo negociado pelo partido Conservador.

Quem quer que se torne no novo primeiro-ministro, deve ter a confiança para propor o seu acordo, ou a saída sem acordo, de volta ao povo numa votação pública”, defendeu Corbyn, numa mensagem enviada esta terça-feira aos militantes.

Nessas circunstâncias, acrescentou, “o Partido Trabalhista fará campanha para permanecer [na UE] contra uma saída sem acordo ou um acordo ‘tory’ que não proteja a economia e os empregos”.

Tanto Jeremy Hunt como Boris Johnson, os dois candidatos à liderança do partido Conservador, cargo que dará acesso à posição de primeiro-ministro, têm afirmado a determinação em implementar o Brexit até ao prazo de 31 de outubro, admitindo uma saída sem acordo se Bruxelas não aceitar negociar a controversa solução para a fronteira na Irlanda do Norte.

Corbyn lembrou que o partido aceitou o resultado do referendo de 2016, quando 52% dos eleitores britânicos votaram pela saída britânica da UE, mas reconheceu que a questão do Brexit “tem sido divisiva nas nossas comunidades e, às vezes, no nosso partido também”.

Em 2017, o partido comprometeu-se a combater um Brexit sem acordo ou um acordo negociado pelo partido Conservador, defendendo a negociação uma união aduaneira com a UE e uma relação próxima com o mercado único europeu, além do alinhamento com a legislação europeia em termos laborais e ambientais. Porém, nas negociações com o Governo para procurar um entendimento e tentar sair do impasse criado pelo chumbo do acordo de saída negociado por Theresa May, o governo britânico rejeitou a proposta porque punha em causa uma política comercial independente.

O impasse resultou num adiamento do Brexit da data inicial de 29 de março para 31 de outubro. Entretanto, um novo primeiro-ministro deverá entrar em funções a 24 de julho, um dia após o anúncio do vencedor da eleição interna no partido Conservador.

O partido Trabalhista mantém como prioridade chegar ao Governo para resolver o Brexit, desafiando o sucessor de Theresa May a convocar a realização de eleições legislativas, porém não é clara a posição relativa a um novo referendo se ficar responsável pelas negociações com Bruxelas.

Numa conferência de imprensa na segunda-feira, o ministro para o Brexit, Stephen Barclay, discordou da ideia de um novo referendo que tenha como opção a permanência na UE porque “isso seria uma repetição do primeiro referendo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)