Cem dias e um “gabinete de crise”: eis as “ferramentas” de Boris Johnson para a saída do Reino Unido da União Europeia. Segundo o The Telegraph, o candidato a líder dos Conservadores está a planear a formação de um gabinete específico para completar o Brexit. E a meta está bem definida: o objetivo de Johnson (se for eleito) é deixar a União Europeia nos primeiros 100 dias da sua governação.

Johnson já tinha deixado bem vincado o seu desejo (para o candidato, quase uma obrigação): ver o Reino Unido sair da Europa a 31 de outubro. Mesmo que essa saída seja feita sem o famoso e tão já badalado acordo.

Agora, um “war cabinet”, ou “gabinete de crise”, pode ajudar Boris Johnson completar o seu objetivo. De acordo com o The Telegraph, a “equipa” será composta por ministros experientes e conselheiros. A sua função? Identificar e lidar com todos os obstáculos e barreiras que possam surgir no caminho do Brexit.

Iain Duncan Smith é o novo chefe de campanha de Boris Johnson e em entrevista ao mesmo jornal britânico reforça a data do Brexit: 31 de outubro.

Se voltarmos a falhar o prazo estipulado novamente, como o Boris disse, vamos ser atingidos por um tsunami de fúria do público britânico que, desta vez, vai ser irreparável”, afirmou Smith.

Para o vice-presidente do Grupo de Pesquisa dos Conservadores, a formação deste gabinete vai favorecer o sucesso do Brexit. “A ideia de um pequeno gabinete que garanta a nossa saída da UE é absolutamente correta. É imperativo que, com tão pouco tempo para o prazo, este comité seja ágil e absolutamente firme”, declarou Steve Baker, apontado ao cargo de novo secretário do Brexit.

A liderar este gabinete, estará Eddie Lister. Membro do ministério dos Negócio Estrangeiros inglês, Lister será também responsável pela “equipa de transição”, se Johnson for eleito. Matt Hancock — que desistiu da sua candidatura a líder Conservador — faz agora também parte desta equipa.

De dez candidatos iniciais, restam Boris Johnson e Jeremy Hunt. Foram estes os dois candidatos escolhidos pelo grupo parlamentar do partido Conservador para suceder a May. O próximo líder de Downing Street será anunciado a 23 de julho.