Rádio Observador

António Guterres

Guterres diz que força do G5-Sahel é insuficiente para travar terrorismo em África

António Guterres salientou que "o terrorismo está a progredir" na África Ocidental e reforçou a necessidade de as forças contraterrorismo terem "o mandato e financiamento adequados".

Guterres fala ainda na importância de "apoiar toda a iniciativa africana, envolvendo os países preocupados com a propagação desta ameaça"

DANIEL IRUNGU/EPA

O secretário-geral das Nações Unidas considerou esta quarta-feira, em Nairobi, que a força conjunta do G5-Sahel não será suficiente para travar a progressão do terrorismo na África Ocidental, manifestando apoio a novas iniciativas de segurança na região.

“Infelizmente, constatamos que o terrorismo está a progredir” na parte ocidental do continente, disse António Guterres aos jornalistas, antes da abertura de uma conferência de dois dias sobre a luta contra o terrorismo em África.

“Começou no Mali, depois passou para o Burkina Faso, para o Níger e, agora, quando falamos com os presidentes do Gana, Benim, Togo e Costa do Marfim, dizem-nos que o terrorismo está a chegar às suas fronteiras. Isto significa que é essencial que as forças africanas encarregadas do contraterrorismo tenham o mandato e financiamento adequados”, explicou.

Por isso, sustentou Guterres, são necessárias mais iniciativas que “vão além do G5-Sahel”.

“Seria importante estarmos prontos a apoiar toda a iniciativa africana, envolvendo os países preocupados com a propagação desta ameaça”, acrescentou.

De acordo com Guterres, os chefes de Estado da África Ocidental defendem a necessidade “de uma resposta bastante mais robusta e coletiva e que a comunidade internacional deve encontrar mecanismos que permitam um apoio pleno”, reforçou.

O responsável das Nações Unidas disse ainda lamentar não ter conseguido colocar o G5-Sahel sob a égide do capítulo VII da Carta das Nações Unidas, como reclamado por diversas vezes pelos seus estados-membros – Mali, Níger, Burkina Faso, Mauritânia e Chade.

O capítulo VII da Carta das Nações Unida (ONU) permite o uso de sanções e mesmo o recurso à força e a sua ativação facilitaria o financiamento do G5-Sahel e possibilitaria a sua transformação em força da ONU.

Ainda que o orçamento para esta força de 5.000 militares tenha sido incluído em reuniões de doadores internacionais, os fundos demoram a chegar, prejudicando a ação da força que, em dois anos, não fez qualquer operação com impacto no terreno.

As preocupações de Guterres foram reforçadas pelo Presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, que criticou a comunidade internacional. “Temos dificuldades em entender a demora da comunidade internacional em relação ao financiamento de operações de segurança na África”, disse.

Para Moussa Faki Mahamat, “é uma situação incompreensível”, quando o fenómeno do terrorista se agrava.

“É preciso mobilizar o conjunto da comunidade internacional para fazer face a um fenómeno que tem as mesmas caraterísticas” do que a Síria e o Iraque, disse.

A reunião de Nairobi é uma iniciativa regional da primeira conferência mundial sobre terrorismo organizada pelas Nações Unidas, em 2018, em Nova Iorque.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)