Rádio Observador

Racismo

Ministro diz que “não há espaço para o racismo” na Polícia

152

Cerimónia em que Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, falou sobre necessidade de acolhimento, foi também marcada por protesto de vários polícias contra o discurso de Luis Farinha.

O ministro discursava na cerimónia que assinalou os 152 anos da Polícia de Segurança Pública.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Administração Interna disse nesta sexta-feira que “não há espaço para o racismo” e para a xenofobia na polícia, destacando que Portugal “defende uma Europa sem muros”.

“Uma polícia das liberdades, onde não há espaço para o racismo, não há espaço para quem tolera violência doméstica, não há espaço para xenofobia num país que se orgulha de ter meio milhão de cidadãos estrangeiros, de a muitos atribuir a nacionalidade portuguesa, que se orgulha da forma como solidariamente acolhe migrantes, recebe refugiados e defende uma Europa sem muros, uma Europa de liberdade, de segurança e de justiça”, disse Eduardo Cabrita.

O ministro discursava na cerimónia que assinalou os 152 anos da Polícia de Segurança Pública, que decorreu na Praça do Império, em Lisboa, e que foi presidida pelo primeiro-ministro, António Costa.

Dirigindo-se para os elementos da PSP, Eduardo Cabrita garantiu que o Governo vai ser “exigente na salvaguarda na defesa dos direitos jurídicos das forças de segurança e dos seus profissionais no quadro da afirmação de uma polícia das liberdades”.

“Para o Governo uma agressão a um polícia é uma agressão a um estado de direito e um insulto a um polícia é um insulto a um defensor do estado de direito democrático”, frisou.

O ministro deu conta das mais de 2 mil admissões realizadas por este Governo e que “correspondem a um esforço significativo de rejuvenescimento e de responder às necessidades da polícia do presente”.

“Mas a polícia do futuro, exige que as admissões sejam feitas através de uma programação de base plurianual que permita definir o quadro necessário de admissões entre 2020 e 2023”, defendeu.

O ministro afirmou também que a PSP obteve, no último ano, mais de cinco centenas de novas viaturas, permitindo renovar “um parque automóvel que durante tantos anos havido sido esquecido”.

“Sem o fator humano, não há tecnologia, nem infraestruturas que garantam que a manutenção destes elevados padrões de resposta na nossa polícia. Por isso a valorização pessoal e profissional dos polícias é fundamental”, disse, para dar conta que, entre 2018 e 2019, mais de 85 % dos policias subiram de escalão.

A cerimónia de aniversário da PSP ficou marcada por um protesto de várias centenas de polícias que pertencem ao Movimento Zero, criado através das redes sociais e do qual fazem parte agentes da PSP e militares da GNR.

Os polícias do Movimento Zero vestiram camisolas brancas e voltaram-se de costas quando o diretor nacional da PSP, Luis Farinha, começou a falar na cerimónia presidida pelo primeiro-ministro, António Costa, mantendo-se nesta posição até ao final do discurso.

Quando o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, começou a discursar os polícias saíram em silêncio e de forma ordeira, levantando os braços e fazendo o gesto do zero com os dedos.

Quando já estavam a alguns metros do local da cerimónia bateram palmas.

Numa alusão a este protesto, Eduardo Cabrita, no final do discurso, afirmou: “Para essa polícia, cada vez mais próxima das populações, cada vez com uma maior confiança dos portugueses, que eu sei que todos que aqui estão, estão a trabalhar, é para essa polícia que sei que nenhum Governo, nenhuma direção nacional, mas sobretudo nenhum polícia voltará as costas”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Racismo

Liberdade ou violação dos Direitos Humanos?

João André Costa

Distopia é esta vergonha de viver num país e numa língua onde não existe uma palavra para quem tem a pele negra. Preto? É insultuoso. Negro? Negros eram os escravos. Pessoas de cor? É supremacista.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)