Rádio Observador

Brasil

Bolsonaro diz que “está decidido” a indicar filho para embaixador do Brasil nos Estados Unidos

Bolsonaro diz que, da sua parte, "está definido" que será o filho a ocupar o cargo. No entanto, o chefe de Estado reconheceu que existe o risco de o Senado barrar a nomeação de Eduardo Bolsonaro.

A oposição acusa o chefe de Estado brasileiro de usar o cargo para favorecer ilicitamente o filho

Joedson Alves/EPA

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse esta terça-feira que “está decidido” a indicar o filho Eduardo Bolsonaro para embaixador em Washington, capital dos Estados Unidos da América, após uma reunião com ministros em Brasília.

“Da minha parte está definido. Conversei com ele [Eduardo Bolsonaro]. Há interesse. A gente fica preocupado, é uma tremenda responsabilidade. Acho que, se tiverem argumentos contrários, que não [estes] chulos eu estou pronto porque [a nomeação] não é nepotismo”, disse o Presidente brasileiro.

O chefe de Estado reconheceu que existe o risco de o Senado (câmara alta parlamentar), responsável por uma audição (sabatina) e por aprovar a indicação dos embaixadores brasileiros para postos no estrangeiro, barrar a nomeação de Eduardo Bolsonaro.

“É logico que corre o risco. Tudo que você faz corre o risco de dar certo ou dar errado. Nós estamos tentando acertar (…) O Senado vai sabatiná-lo e vai decidir. E ponto final. Se não for aprovado, ele fica na Câmara [dos Deputados, câmara baixa parlamentar]”, disse Bolsonaro.

A possibilidade de Eduardo Bolsonaro ser indicado como novo embaixador nos Estados Unidos, país com o qual o Brasil fortaleceu os laços quando Jair Bolsonaro tomou posse como Presidente, tornou-se pública na última quinta-feira e tem gerado grande polémica.

Opositores acusaram o chefe de Estado brasileiro de usar o cargo para favorecer o filho de forma ilegal

Por seu turno, Eduardo Bolsonaro disse à imprensa brasileira que o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, com quem se encontrou na sexta-feira, “expressou apoio” à sua eventual nomeação e considerou que os norte-americanos “acolheriam a decisão”.

“Não sou um filho de deputado [Presidente] que do nada está a ser alçado a essa condição. Existe um trabalho sendo feito, sou presidente da Comissão de Relações Exteriores [da Câmara dos Deputados], tenho uma vivência pelo mundo”, declarou Eduardo Bolsonaro.

“Já fiz intercâmbio, já fritei hambúrgueres lá nos EUA (…) No frio do Colorado, numa montanha, aprimorei o meu inglês (…) Certamente precisaria contar com a ajuda dos colegas do Itamaraty, dos diplomatas, porque vai ser um desafio grande. Mas tem tudo para dar certo”, acrescentou.

A representação do Brasil em Washington não tem embaixador desde abril passado, quando o diplomata Sérgio Amaral, no cargo desde 2016, foi transferido para um escritório em São Paulo.

Na ocasião, Bolsonaro disse que havia solicitado a mudança de embaixadores em 15 países devido à má imagem do Brasil no exterior e ao facto de ele ser apresentado fora do Brasil como um ditador, racista e homofóbico sem a respetiva defesa dos diplomatas brasileiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)