Rádio Observador

Ministério da Saúde

Ministra da Saúde analisa proposta para anestesistas tarefeiros na Maternidade Alfredo da Costa

A Maternidade Alfredo da Costa pode prestar "serviços mínimos" no verão por falta de anestesistas. A ministra está a analisar propostas de prestadores de serviços para colmatar esta ausência.

Marta Temido sublinha que se trata de uma solução “pontual”

TIAGO PETINGA/LUSA

A ministra da Saúde disse esta terça-feira que está a analisar propostas de prestadores de serviços para colmatar a falta de anestesistas na Maternidade Alfredo da Costa (MAC) através de especialistas tarefeiros.

“Foram recebidas ontem [segunda-feira] propostas de prestadores de serviços no Centro Hospitalar Lisboa Central, estão a ser analisadas e espero que elas permitam responder às necessidades imediatas, pontuais da escala de anestesistas da MAC”, afirmou aos jornalistas Marta Temido, à margem da inauguração da Unidade de Saúde Familiar do Bombarral, no distrito de Leiria.

A governante sublinhou que se trata de uma solução “pontual” e não quer “desfocar daquilo que é a necessidade de resolver o problema estrutural, a falta de anestesistas da MAC”.

O quadro de médicos “tem de ser novamente recomposto, pensando além do que é a prestação de cuidados de saúde materna e obstétrica na MAC, mas em todas as maternidades de Lisboa”, adiantou.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) tinha admitido avançar com um sistema rotativo de urgências obstétricas da Maternidade Alfredo da Costa, Hospital de Santa Maria, São Francisco de Xavier, Amadora-Sintra, e Hospital Garcia de Orta abertas durante o verão, mas a decisão acabou por não ser tomada.

De acordo com um comunicado da ARSLVT, “as direções clínicas e direções de serviço de urgência das cinco unidades de saúde vão articular semanalmente a necessária afetação de recursos, para que, em cada momento, se possam antecipar eventuais fragilidades recorrentes deste período” de férias.

Segundo a nota, houve “reforço da contratação de serviços médicos não só nas especialidades de ginecologia/obstetrícia, mas também nas de pediatria e anestesiologia”.

Em 20 de junho, a Ordem dos Médicos considerou como “um remendo” um eventual sistema rotativo das urgências de obstetrícia de quatro dos maiores hospitais de Lisboa, durante julho e setembro, lembrando que são unidades “de fim de linha” que se encontravam “há meses sobrelotadas”.

“O encerramento rotativo das grandes maternidades de Lisboa, que está neste momento a ser discutido a nível da ARS, é um remendo da situação grave que está a acontecer nestas maternidades de referência e de ‘fim de linha’, que não têm recursos humanos”, disse, em junho, Alexandre Lourenço presidente do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)