Rádio Observador

Huawei

5G: Huawei Portugal abre em setembro centro de suporte para a Europa

A Huawei Portugal vai abrir em setembro um centro de suporte de serviços para redes 4G e 5G para a Europa, para o qual estão a ser contratados 30 engenheiros. Empresa não avança valor do investimento.

A Huawei tem sido uma das principais empresas a promover o 5G

LONG WEI/EPA

A Huawei Portugal vai abrir em setembro um centro de suporte de serviços para redes 4G e 5G para a Europa, para o qual estão a ser contratados 30 engenheiros, anunciou o presidente executivo da subsidiária portuguesa.

Este é o “único” centro nesta área específica da Europa, afirmou o presidente executivo da Huawei Portugal, Tony Li, num encontro com jornalistas em Lisboa.

O objetivo deste centro é “otimizar as redes de 4G e 5G”, explicou, por sua vez, Samuel Ferreira, responsável pelas soluções wireless (sem fios, em português) e 5G (a quinta geração de comunicações móveis) da Huawei no mercado português.

Com a contratação dos 30 engenheiros, a Huawei Portugal vai passar a contar, no final do ano, com 150 trabalhadores.

Samuel Ferreira adiantou que este centro de suporte de serviços vai servir mercados europeus como a Alemanha ou Reino Unido, entre outros.

Tony Li não avançou o investimento realizado neste novo centro.

O impacto económico da Huawei Portugal em 2018, o que inclui investimento, impostos e compras a fornecedores locais, entre outros, foi de 159 milhões de euros, uma subida de “40% face a 2017”, referiu o presidente executivo.

No ano passado, as receitas da Huawei no mercado português ascenderam a 235 milhões de euros, uma subida de 30% face aos 180 milhões de euros registados em 2017.

Este ano também “vamos ter de certeza um crescimento”, acrescentou o presidente executivo, sem adiantar detalhes.

Um novo centro 4G e 5G que deixa questões

O Observador questionou a Huawei no final da manhã desta quinta-feira sobre que habilitações terão de ter os 30 novos engenheiros que agora vão ser contratados, quantos esperam ser portugueses, quantos destes novos funcionários vão trabalhar em permanência no centro e como sustentam a afirmação do impacto económico de 159 milhões na economia portuguesa, perguntas que não foram respondidas. Relativamente aos serviços que o centro vai ter, também não foram avançadas mais informações.

A Huawei, por ser uma empresa chinesa, tem estado no centro do conflito económico entre a China e os Estados Unidos da América. Depois de um decreto executivo dos EUA, emitido no final de maio, a proibir negócios com a Huawei, pondo a empresa numa lista negra, a desconfiança teve um forte impacto internacional nas vendas.

O embargo foi entretanto levantado após o encontro do G20, no Japão, entre os presidentes Donald Trump, pelos EUA, e Xi Jiping, da China, com norte-americanos e chineses de volta à mesa de negociações para tentarem pôr um fim à guerra comercial. Contudo, estas conversas ainda estão num impasse.

Em relação a Portugal, à semelhança daquilo que têm feito com outros países, os norte-americanos alertaram para os perigos de a Huawei poder estar a utilizar a tecnologia que vende — de infraestruturas de rede e outros produtos — como método de espionagem a favor do governo chinês. A Huawei tem, reiteradamente, negado essas acusações.

*Artigo atualizado às 23h03

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)