Rádio Observador

FC Porto

A dinâmica é a mesma, o final tornou-se diferente – e deu vitória nos penáltis (a crónica do FC Porto-Betis)

486

Alguns jogadores mudaram, a dinâmica foi a mesma, o final tornou-se diferente: FC Porto venceu Betis no desempate por grandes penalidades depois do empate no final dos 90 minutos (1-1, 5-4).

Zé Luís, aqui a comemorar com Romário Baró, marcou o primeiro golo como jogador do FC Porto frente ao Sevilha

Getty Images

Um encontro particular a meio da semana é uma coisa, dois jogos englobados num torneio em cerca de 48 horas é outra. Sérgio Conceição aproveitou a Copa Ibérica para promover algumas modificações na equipa que começou a partida diante do Fulham na passada terça-feira, “misturando” reforços, pedras chave e alguns jogadores mais novos da formação com algum sucesso ao longo deste primeiro encontro com o Betis. Os dragões tiveram mais uma boa prestação, revelaram a mesma dinâmica de jogo das duas últimas épocas com a intensidade típica ainda de uma pré-temporada mas alcançaram um final bem distinto no desempate por grandes penalidades, derrotando a formação de Sevilha por 5-4 depois do empate a um após 90 minutos.

Com Fábio Silva sempre muito ativo na frente e Romário Baró a “mostrar-se” ao jogo desde início, o FC Porto até entrou de forma mais afirmativa, com um remate perigoso por Nakajima (4′) e um lance bem trabalhado entre os mais novos entretanto anulado por fora de jogo (9′), mas foi o conjunto de Sevilha a inaugurar o marcador por Juanmi, a cabecear dentro da área após um grande lance do ex-jogador portista Tello a passar por Wilson Manafá na direita do ataque espanhol (13′). E como um azar nunca vem só, Loum, médio que nos últimos seis meses não teve grandes hipóteses nos azuis e brancos, sentiu uma “picada” na perna, fez de imediato sinal ao banco a pedir substituição e saiu de campo em lágrimas dando lugar a Danilo (16′).

Emerson e Canales ainda obrigaram a Vaná a intervenções mais complicadas mas os dragões voltariam a conseguir agarrar mais no comando do encontro e conseguiram chegar ao empate ainda antes do intervalo por Zé Luís, avançado contratado ao Spartak Moscovo que recebeu bem a bola à entrada da área, ajeitou e rematou colocado sem hipóteses para Joel Robles (31′). E apenas dois minutos depois o FC Porto ficou perto de chegar à reviravolta, com Nakajima a acertar no poste de fora da área, antes de Fábio Silva voltar a colocar o guarda-redes espanhol à prova para defesa a soco para canto (38′).

Na segunda parte, Sérgio Conceição, que lançara de início Vaná, Tomás Esteves, Pepe, Diogo Leite, Manafá, Loum, Romário Baró, Sérgio Oliveira, Nakajima, Zé Luís e Fábio Silva, trocou dez jogadores (mantendo apenas Danilo, que tinha entrado pouco depois do primeiro quarto de hora para o lugar do lesionado Loum) e lançou Diogo Costa, Saravia, Marcano, Osorio, Alex Telles, Bruno Costa, Otávio, Luis Díaz, Corona e Soares. O Betis mostrou que continua a ser uma das equipas mais interessantes da Liga espanhola, sobretudo na forma como consegue construir movimentos ofensivos, mas o FC Porto foi conseguindo ser melhor e criou mais perigo junto da baliza do conjunto de Sevilha, ainda que sem sucesso de bola corrida ou parada por forma a evitar que o duelo ibérico fosse decidido através do desempates por grandes penalidades.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)