Rádio Observador

Incêndios

Serra do Caldeirão. Incêndio na localidade de Cachopo já foi controlado

129

O incêndio no concelho de Tavira, que começou pelas 17h30, encontra-se em fase de resolução. Estão mais de 140 operacionais no local. Fogo em Castelo Branco, que recomeçou esta tarde, está dominado.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O incêndio que deflagrou na Serra do Caldeirão, na localidade de Cachopo, no concelho de Tavira, já se encontra em fase de resolução, de acordo com a informação disponível no site da Proteção Civil.

O alerta foi dado pelas 17h30 desta quinta-feira. Pelas 22h30, encontravam-se no local144 operacionais, apoiados por 50 viaturas terrestres. Já não se encontra nenhuma aeronave na zona. O fogo que chegou a ser combatido em simultâneo por seis meios aéreos.

À rádio Observador, o comandante Abel Gomes, do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Faro tinha adiantado que o incêndio estava “a lavrar com muita intensidade” e que a situação não estava “nada fácil”. A dificultar o combate às chamas estava o vento que se fazia sentir na zona. Havia também algumas dificuldades nos acessos, mas os meios conseguiram chegar ao local e controlar o fogo.

Avião sofreu avaria enquanto abastecia na Barragem de Beliche, em Castro Marim

Nenhuma casa ou pessoa chegou a estar em risco. De acordo com o comandante do CDOS de Faro, o único incidente a registar foi o da amaragem de um bombardeiro que sofreu uma avaria durante o abastecimento de água,  ficando “parado numa das margens” da Barragem de Beliche, em Castro Marim. O piloto não sofreu qualquer ferimento.

Em comunicado, a Proteção Civil adiantou que “o alerta foi dado às 18h40, tendo sido acionados os meios de socorro que de imediato reconheceram o local por forma a identificar a localização do acidente. O piloto saiu ileso, havendo a registar apenas danos materiais”.

A aeronave, um avião anfíbio médio FireBoss, encontrava-se estacionada na Base Aérea n.º 11, no distrito de Beja, quando foi chamada a combater o fogo na localidade de Cachopo. “As causas do acidente serão apuradas pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários, entidade com competência em matéria de investigação de acidentes com aeronaves”, acrescentou a Proteção Civil.

Fogo de Castelo Branco já está dominado. Dispositivo de combate mantém-se no local

O incêndio nas freguesias de Ninho do Açor e Sobral do Campo, em Castelo Branco, que esta quinta-feira mobilizou mais de 200 bombeiros, está também dominado, confirmou o Observador junto do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

O reacendimento ocorreu por volta das 15h30 desta quinta-feira e os operacionais continuam no local, apoiados por 66 viaturas e cinco meios aéreos. “Neste momento as reativações que tivemos durante a tarde estão dominadas e mantemos todo o dispositivo em combate“, referiu o CDOS de Castelo Branco. “A reativação do incêndio” foi dominada pelas 17h43, adiantou o mesmo organismo à Agência Lusa.

O incêndio teve uma frente ativa e não há informação sobre estradas cortadas. O fogo, recorde-se, foi dado como dominado durante a madrugada, sendo que os operacionais permaneceram no terreno para consolidação do perímetro do incêndio.

(Em atualização)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cpeixoto@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)