Na semana passada, as negociações entre os socialistas do PSOE com o Unidas Podemos falharam. Agora, o primeiro-ministro Pedro Sánchez “voltou à carga” e propõe a Iglesias que apoie um governo solitário através de um pacto programático entre ambos — uma espécie de “gerigonça espanhola”.

O objetivo é evitar que se chegue a setembro sem governo — o que obrigaria a eleições. Numa carta enviada à militância socialista, citada pelo El País, Sánchez explica que a sua ideia é a formação de “um governo à portuguesa”, com todos os partidos de esquerda a apoiar o PSOE. Mas, para já, o “alvo prioritário” é o Unidas Podemos.

Espanha. Governo dá como terminadas as negociações com o Podemos sem acordo à vista

Iglesias já rejeitou a ideia. Quer formar uma coligação e insiste em fazer parte do governo, pedindo o retomar das negociações da semana passada. O Unidas Podemos pede cinco ministérios, mas Sánchez afirma que não abdica de mais do que três ministérios e uma vice-presidência.

Para convencer o Unidas Podemos, Sánchez vai reunir-se com diferentes grupos da sociedade civil — como associações feministas, ambientais e grupos de terceira idade. As reuniões começam já esta quinta-feira e o objetivo é aumentar a pressão sobre Iglesias e fazer com que estes grupos colaborem na criação de um espaço comum para a formação de um governo.

Do outro lado, o Unidas Podemos afirma que ainda há tempo para negociar um acordo programático e dividir as funções no governo.