Rádio Observador

Pedro Sánchez

Espanha. Governo dá como terminadas as negociações com o Podemos sem acordo à vista

A proposta final de Sánchez foi a oferta da vice-presidência social e três ministérios. Iglesias recusou, Sánchez vai a votos esta quinta-feira às 13h e a maioria simples é suficiente.

O segundo debate da investidura de Pedro Sánchez está marcado para a esta quinta-feira

OLIVIER HOSLET/EPA

O objetivo era a formação de um governo, mas as negociações entre PSOE e Unidas Podemos atingiram um novo impasse, com o governo espanhol a falar em rompimento. De acordo com fontes do executivo de Sánchez, citadas pelo El País, o PSOE considera inconcebíveis os pedidos do partido de Iglesias. Os socialistas defendem que atender aos pedidos do Podemos é criar dois governos dentro de um só. Por outro lado, Pablo Iglesias diz que continua a apostar num governo de coligação, sem abdicar das suas exigências: o controlo de cinco ministérios.

O PSOE ofereceu — entretanto e como oferta final — a vice-presidência social e os ministérios da Habitação e Economia Social, o ministério da Higiene, Assuntos Sociais e Consumo e ainda o ministério da Igualdade (que tinha afirmado antes não oferecer), mas não foi suficiente. Iglesias recusou a proposta, pelo que Sánchez deu as negociações por terminadas.

Durante a tarde de quarta-feira, o primeiro-ministro espanhol tinha ligado a Pablo Iglesias com um ultimato, onde afirmava não estar disposto a “oferecer o ministério do Trabalho, nem o das Finanças, nem o do Ambiente, nem o da Igualdade”. O primeiro-ministro espanhol afirmou que esta seria a sua última proposta para o partido liderado por Iglesias. 

O Podemos tinha já afirmado que, sem estes ministérios, não quer fazer parte do governo, pois considera que seria apenas um “elemento decorativo”.

As negociações entre a vice-presidente do governo, Carmen Calvo, e Pablo Echenique, do Podemos, estiveram paradas durante grande parte do dia desta quarta-feira. O Podemos tinha dito que foi pedida uma “pausa para almoço”, garantindo que iam voltar a reunir “durante a tarde”, mas os socialistas dizem que “não há mais” enquanto o partido liderado por Pablo Iglesias não responder à última proposta feita pelo PSOE.

Fonte do Unidas Podemos já tinha garantido, no decorrer das negociações de quarta-feira, que não havia “progressos nas propostas feitas pelo PSOE”, citada pelo jornal El Mundo.

As negociações de quarta-feira foram retomadas para tentarem alcançar um acordo para formar governo. As forças políticas estão a trabalhar contra o relógio, já que está agendado para esta quinta-feira às 12h30, hora local, o segundo debate da investidura de Pedro Sánchez. Para que as eleições não se repitam, os partidos têm de chegar a um entendimento. Ao contrário daquilo que aconteceu na terça-feira, quando Sánchez precisava de conquistar o voto de 176 dos 350 deputados, na votação desta quinta-feira uma maioria simples é suficiente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)