Rádio Observador

Espanha

Manada de Bilbao. Festejos de suspeitos de violação libertados geram onda de críticas

195

A agressão sexual terá ocorrido na quinta-feira, por volta das 23h, no parque central de Etxebarria. Dois dos suspeitos ficaram em prisão preventiva. Associações exigem a mesma pena para todos.

LightRocket via Getty Images

Depois de seis homens terem sido detidos na sexta-feira por serem suspeitos de violarem uma rapariga de 18 anos em Bilbao, dois dos suspeitos continuaram em prisão enquanto os restantes quatro foram libertados sob condição de comparecerem diariamente no tribunal. À saída do tribunal, três dos argelinos comemoraram a sua libertação em frente às câmaras televisivas que se encontravam no local. E o gesto gerou várias críticas.

Segundo o jornal ABC — que se refere ao caso como “a Manada de Bilbao” –, algumas das palavras ditas pelos quatro homens foram “liberdade”, “Argélia”, “haxixe” e “droga”. Com alguma dificuldade em falar espanhol, disseram também: “Não f*** à bruta. Fala rapariga. Não rapariga, não f*** [se a rapariga dissesse que não, não teríamos relações sexuais]”. E acrescentaram: “Boa festa”.

A agressão sexual terá ocorrido na passada quinta-feira, por volta das 23h. Depois do alegado ato, que ocorreu no parque central de Etxebarria, o grupo homens terá atirado 17 euros à vítima, deixando-a sozinha nos arbustos onde foi agredida. A libertação dos quatro homens gerou várias críticas e a própria Federação de Associações de Moradores de Bilbao considerou, citada pelo ABC, que “se os seis detidos participaram na violação, os seis devem ter o mesmo destino” e alertaram para o facto de a rapariga de 18 anos poder “atravessar a rua com os seus agressores”.

A cidade amanheceu com a notícia de que apenas dois dos seis indivíduos presos esta sexta-feira em Bilbao, como supostos autores de um ataque sexual em grupo a uma mulher de 18 anos foram mandados para a prisão de Basauri por ordem judicial. Os outros quatro foram libertados sob a condição de se apresentarem todos os dias no tribunal”, explicou a federação.

Ainda antes, a mesma federação referiu-se ao episódio como um “sentimento de impunidade dos agressores” e “repulsa pela pouca resposta institucional para lutar com outras violências”. “As condenações judiciais não exigiram uma mudança real de consciência destes homens”, acrescentaram em comunicado.

A agressão sexual terá acontecido na passada quinta-feira, por volta das 23h. Depois do alegado ato, que ocorreu no parque central de Etxebarria, o grupo homens terá atirado 17 euros à vítima, deixando-a sozinha nos arbustos onde foi agredida. A jovem deslocou-se ao hospital de Basurto pelo próprio pé, onde as lesões apresentadas foram consideradas próprias de uma agressão sexual. Foi também a jovem quem providenciou uma descrição física minuciosa dos alegados agressores à polícia basca, o que facilitou a rápida identificação e detenção dos suspeitos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)