O segundo dia da greve dos motoristas começou com a chegada de militares a Aveiras para conduzirem os camiões. Pardal Henriques disse logo, nas primeiras horas da manhã, que os trabalhadores estão “de pistola apontada à cabeça” e que “esta greve não tem fim à vista”. A ANTRAM alertou depois: o abastecimento a hospitais está em risco em menos de 24 horas. Já durante a tarde, Santana Lopes chegou a Aveiras e ofereceu-se para mediar o conflito. Em Portimão, Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou qualquer alteração à lei da greve e afirmou: “Não é assunto que esteja na ordem do dia”.

Veja as fotos do Observador que ilustram o segundo dia da greve dos motoristas na fotogaleria acima ou reveja aqui as imagens das primeiras 24 horas de protestos.