Rádio Observador

Arqueologia

Arqueólogos encontram peças que comprovam episódio bíblico da conquista de Jerusalém pela Babilónia

725

Uma missão arqueológica em Jerusalém encontrou pontas de lanças, joias, cestos e lâmpadas da invasão feita pelo Império da Babilónia, de Nabucodonosor, durante o ano de 586 a.C.

AFP/Getty Images

Arqueólogos da Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos anunciaram a descoberta de evidências da conquista de Jerusalém pelo Império da Babilónia, no ano de 586 a.C., avançou o órgão de comunicação especializada phys.org.

Entre os itens encontrados nas escavações do Monte Sião estão pontas de flechas, cestos, lâmpadas e joalharia de ouro e prata. O projeto arqueológico é co-dirigido por Shimon Gibson, professor de história desta mesma faculdade, Rafi Lewis, da Ashkelon Academic College, e James Tabor, professor de estudos religiosos.

Gibson falou ao portal sobre o que encontrou: “Para os arqueólogos, os restos de madeira e as cinzas podem significar milhões de coisas diferentes. Poderiam ser de fornos ou até de lixo queimado. No entanto, neste caso, a combinação dos objetos encontrados indicam que aqui houve algum tipo de devastação e destruição: “Toda a gente sabe que ninguém abandona joias de ouro e ninguém tem pontas de flecha no lixo doméstico”.

As pontas, segundo Gibson, são de diferentes povos que ali habitavam, e remontam aos séculos VII e VI a.C. cooperando assim para a tese do arqueólogo de que o achado remonta à “conquista histórica da cidade da Babilónia”.

A Bíblia, fonte de diversos estudos e análises comprovativas, cita a queda histórica do governo situado no Monte Sião pelas mãos do rei neo-babilónico Nabucodonosor. Este, é referenciado como o responsável pelo incêndio que destruiu o Tempo de Salomão, o templo sagrado na antiga Jerusalém.

O rei da Judeia era então Zedequias. Aquando da invasão, tentou escapar, mas foi detido e levado de volta à Babilónia, e os demais habitantes foram forçados ao exílio.

“Buying water in a time of distress”, ilustração no Livro de Jeremias. Habitantes do Monte Sião na altura da invasão babilónica de Jerusalém. /Culture Club

Com algumas diferenças na narrativa, a Bíblia relata no capítulo 25 do Livro dos Reis, a conquista do reino sagrado. “Durante o décimo dia, no décimo mês do nono ano do reinado, veio Nabucodonosor, rei da Babilónia, com todo o seu exército contra Jerusalém. Os militares acamparam e sitiaram-na, capturando o rei e levando-o até a região de Riblá, onde foi julgado. Os filhos de Zedequias foram degolados à sua frente, e a ele, retiraram-lhe os olhos, encarceraram-no e levaram-no para Babilónia”, recorda o jornal espanhol ABC, citando a Bíblia.

Do Antigo Testamento consta também a referência da invasão da cidade de Jerusalém, sendo narrada sua redução às cinzas. Além disto, Jeremias já havia profetizado a queda do reino da Judeia pelas mãos de um rei babilónico (25:11).

No seu conjunto, as narrativas vão ao encontro das peças descobertas no local.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Património Cultural

Arquitectados para a arqueologia

Rui Lino Ramalho
162

Esta triste história com final feliz esconde mais do que o ainda escondido Cromeleque dos Almendres: esconde também alguns sintomas alarmantes da nossa cultura, cada vez mais digitalizada e impessoal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)