Nove migrantes entre os cerca de 100 que estão a bordo do navio “Open Arms” há 19 dias lançaram-se ao mar esta terça-feira para tentar nadar os 800 metros de distância que os separam da ilha italiana de Lampedusa.

“Nove pessoas lançaram-se à água numa tentativa desesperada de chegar à costa de Lampedusa. Os nossos socorristas e agentes da Guarda Costeira italiana estão a tentar resgatá-los”, disse a organização não governamental espanhola “Open Arms” nas redes sociais, acrescentando que “a situação está fora de controlo”.

Estes não foram os primeiros migrantes deste navio a lançarem-se ao mar, desde que o “Open Arms” está ancorado perto de Lampedusa à espera de uma solução, mas este foi o grupo maior.

Vídeos amadores que têm sido publicados nas redes sociais mostram pessoas com coletes salva-vidas cor de laranja a flutuar no mar, alguns em grupo e outros sozinhos, e um navio da Guarda Costeira e botes de borracha próximo a tentar alcançá-los.

O incidente surge depois de um outro homem se ter lançado ao mar no início do dia. O migrante foi resgatado pela Guarda Costeira, mas recusou-se a regressar ao navio “Open Arms”.

O impasse com a Itália está no seu 19º dia, já que o ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, recusa permitir que o navio espanhol tenha acesso a um porto seguro em Itália, apesar de outros países europeus se terem oferecido para acolher os migrantes.

Ainda assim, a ONG recebeu esta terça-feira autorização para desembarcar oito pessoas “a necessitar de ajuda urgente”, entre as 107 que estão retidas ao largo da costa italiana há 19 dias.

“Quem não quer ver a situação insustentável a bordo é porque é incapaz de sentir empatia pela dor alheia”, escreveu a organização, depois de informar que a retirada destas pessoas, cuja situação e condições não foram reveladas, foi “autorizada”, noticia a agência de notícias espanhola Efe.

[Open Arms. Procurador desafia Salvini e há um navio espanhol a caminho]

A crise da “Open Arms”, que mantém mais de 100 pessoas bloqueadas no mar, agudizou a tensão entre os governos de Espanha e Itália, e destes com a própria ONG, que rejeitou a possibilidade de rumar às Baleares e já propôs levar os viajantes de avião para Espanha. No domingo, o capitão do navio humanitário rejeitou as “inviáveis” ofertas do Governo espanhol para navegar até ao porto de Algeciras, primeiro, e depois a algum das ilhas Baleares — em Maiorca ou Menorca —, devido à situação “desesperada” que se vive a bordo.

A tripulação alegou a impossibilidade de assumir mais alguns dias de travessia com 107 pessoas em condições extremas, amontoadas no convés com ataques de ansiedade, lutas e até alguns migrantes resgatados a atirarem-se ao mar.