O Governo de Espanha propôs receber o navio humanitário “Open Arms” em Algeciras face à “inconcebível” recusa de Itália em autorizar o desembarque dos 107 migrantes, mas a ONG recusou e os capítulos que se seguem não são os mais animadores. As mais recentes imagens divulgadas na tarde deste domingo pela Associated Press mostram como alguns dos migrantes a bordo do barco que se encontra ao largo de Lampedusa se estão a atirar ao mar na esperança de chegarem a terra.

Segundo a AP, membros da tripulação terão resgatado os migrantes da água e trazido de volta as pessoas para bordo. A agência assegura que era possível ouvir choro e gritos a bordo, bem como gestos exaltados, enquanto a tripulação “tentava acalmar os ânimos”.

O Open Arms rejeitou a oferta do Governo espanhol, por considerar que a embarcação não está em condições de fazer aquela distância. “Não aceitamos Espanha. Não podemos pôr em perigo a segurança e a integridade física dos imigrantes e da tripulação. Necessitamos de desembarcar já”, disse um porta-voz da associação, citado pelo El País.

O vídeo dos migrantes a atirarem-se à água foi inicialmente divulgado pelo fundador da ONG, Oscar Camps, que se encontra a bordo e que afirma ser “insustentável” o barco deslocar-se até Espanha. “Querem que naveguemos 950 milhas, mais cinco dias, até Algeciras, o porto mais longe do Mediterrâneo, com uma situação insustentável a bordo?”, questionou no Twitter.

A própria organização afirma que as condições físicas e psicológicas dos 107 são “críticas” e que a segurança de todos a bordo está em risco. “Se acontecer o pior, a Europa e Salvini serão responsáveis”, acusou a ONG, referindo-se ao ministro da Administração Interna italiano.