O PS governa mal/
Só o presente lhe interessa/
O futuro de Portugal é coisa que não tem pressa.

O circo monta e desmonta/
Dramatiza e sobressalta/
Tem sempre a novela pronta/
Espetáculo nunca falta.

Não são dados a rigores/
As políticas socialistas.
Foi assim com os professores/
É agora com os motoristas.

Mas o teatro montado que o povo irá julgar/
Por certo será derrotado/
E o PSD vai ganhar.

Rui Rio, 31/08/2019

O dia escolhido pelos partidos para dar o pontapé de saída formal para a maratona das legislativas pode nem ter começado da melhor forma para o PSD de Rui Rio, com o barómetro das sondagens a fazer soar alarmes por apontar para uns escassos 20% de votos. Mas a verdade é que terminou, pelo menos, de forma inesperada (e inspirada). Em mangas de camisa, na festa algarvia do Pontal, o líder do PSD inspirou-se no poeta algarvio António Aleixo e, de sorriso nos lábios, arriscou enveredar pelo caminho da poesia.

O destinatário do poema — acima transcrito — era António Costa, tal como foi António Costa (e o seu governo) o destinatário de toda a intervenção de Rui Rio, deixando desta vez de lado os restantes membros da geringonça e os restantes partidos do centro-direita — e até os adversários internos de Rio, que foram o principal destinatário do Pontal do ano passado. O adversário desta vez é claro, é só um, e Rui Rio não quer desviar atenções dele. Dividindo o discurso em duas partes, esquematizou as principais razões para, no seu entender, o povo português não votar no PS de António Costa (contámos dez), e as principais razões para, ao invés, votar no PSD (contámos quatro). Aí, Rio até foi mais longe, e disse que entre as razões que há para votar no PSD encontra-se uma guerra, “das boas”, que está “disposto a comprar”: a da descentralização (dossiê sobre o qual, por sinal, PSD e PS até já assinaram um acordo que não chegou a dar frutos).

“Há duas formas de combater o PS e de conquistar os votos dos portugueses: explicar que o PS não merece ganhar as eleições, e depois explicar que nós merecemos ganhar as eleições”, começou por dizer em jeito de preâmbulo. Seguiu-se a enumeração. A primeira razão para não votar no PS é o chamado “familygate”: “O PS sempre olhou para o Estado como dono do Estado e aproveita-se para se servir a si próprio quando chega ao poder”, disse, sublinhando que assistir ao cruzamento de nomeações de primos e mulheres de governantes para a máquina do Estado, e de negócios com essas mesmas famílias e o Estado, é “algo que não é tolerável em democracia”. “Esta razão, não sendo por si só suficiente, é uma razão muito forte para não se votar no PS”, disse.

Mas há outras: o facto de o PS não ter aproveitado a conjuntura económica favorável para relançar a economia nacional — “não soube, mas também estou convencido de que não quis”; o facto de o PS ter negociado um programa com a troika que depois, porque perdeu as eleições, teve de ser o PSD a executar; ou o facto de o PS ter beneficiado dos juros do BCE e de finanças públicas reabilitadas e, mesmo assim, não ter ido mais além. “Quem tem esta conjuntura tem a obrigação de colocar o país num patamar muito superior aquele onde estamos”, afirmou a partir do púlpito colocado no recinto da festa social-democrata em Monchique. As razões, contudo, não ficam por aqui. Há ainda o “recorde de cobrança de impostos”, que pertence a este governo socialista, devido aos impostos indiretos que aumentaram e cuja receita, diz Rio, ultrapassou a baixa de IRS levada a cabo; ou ainda o facto de o PS ter “mentido” quando disse que ia acabar com o imposto sobre combustíveis quando os preços do petróleo descessem.

Seguem-se outros motivos, relacionados sobretudo com a falta de investimento público na saúde, na educação, na ferrovia ou nos serviços administrativos que fizeram disparar as filas para tratar de casos “simples” como “fazer o cartão do cidadão”. “O PS degradou serviços públicos de uma forma como antes nunca tínhamos visto”, disse, para a seguir dedicar mais tempo a uma outra razão para não se votar no PS: a falta de sentido de Estado que leva o governo do PS a “dramatizar” e a “montar um circo” se isso for necessário para “o interesse partidário”.

“Um governo que se preze não faz chantagem com os portugueses. Na greve dos motoristas, a dramatização que fizeram, o circo que montaram, só tinha sido visto na questão dos professores: chamaram GNR, mobilizaram forças armadas, mandaram atestar os carros 15 dias antes da greve, fixaram serviços mínimos que eram serviços máximos. E tudo para mostrar que o Estado tem autoridade. Mas a autoridade não se exerce desrespeitando a liberdade dos trabalhadores de fazer greve. Não podemos pôr em causa o direito à greve desta maneira grosseira apenas porque há eleições dia 6 de outubro”, disse Rui Rio.

Em cada esquina um corrupto (e uma guerra que vale a pena comprar)

Já as razões de Rio para o povo português votar no PSD foram menos, em número, mas foram apaixonadas. “Conseguir trazer esperança aos portugueses” apareceu logo à cabeça, com o líder do partido a defender que o modelo de crescimento económico do PSD, assente no investimento e nas exportações, é o único que consegue assegurar “melhores empregos e melhores salários”. Logo, esperança. Também nas políticas ambientais, Rio puxou dos galões do seu programa para defender um caminho rumo à neutralidade carbónica e, com isso, à ideia de um planeta com condições de vida. Logo, mais esperança.

Também no campo das propostas para a justiça, Rio afirmou que há razões para votar no PSD. “Não resolvemos o problema da corrupção com notícias nos jornais. Combatemos a corrupção quando formos capazes de acusar efetivamente e ter uma sentença em tribunal”, disse, defendendo mais transparência e uma “justiça mais eficaz”. Não disse exatamente como o faria, mas disse que, assim, da maneira como a sociedade está, “fica-se com a ideia de que toda agente é corrupta, que em cada canto e em cada esquina há um corrupto”. E assim também não pode ser: é preciso condenações efetivas, se a justiça assim o apurar.

Mas a guerra que Rui Rio quer mesmo, mesmo, comprar é outra: a da descentralização. “Temos um país profundamente injusto do ponto de visto territorial, de tal forma que já toca a estupidez. é uma estupidez porque degrada a vida das áreas metropolitanas e degrada a vida do interior”, disse, defendendo uma verdadeira descentralização e desconcentração de meios, e criticando a recente campanha de António Costa pela Estrada Nacional 2 que, segundo Rio, não foi mais do que “propaganda” em véspera de eleições. É essa guerra que Rio está disposto a comprar, porque diz que é das boas, das que gosta, e das tais por que vale a pena lutar.

“Vamos comprar uma guerra das que eu gosto, uma guerra pela descentralização, pela desconcentração, vamos afrontar interesses instalados. Movimentem-se lá contra, mas esta é uma guerra que vale a pena comprar em nome do futuro do país”, disse, desencadeando aplausos na audiência. Só não falou em regionalização que, essa sim, seria uma guerra dura de travar.

É esta a receita de Rio para as legislativas: uma lista de prós (para o PSD) e uma lista ainda mais exaustiva de contras (para o PS). Meia hora chegou para ditar o tom e, segundo Rio, os portugueses podem até ter sido “enganados” pelo PS nas europeias, mas agora “já entenderam que tipo de governo têm”. “Um governo que se move e se comporta em função dos interesses do PS e não do país”.

Foi o tiro de partida de Rui Rio para o ano político intenso que se segue. Este domingo vai estar na universidade de verão do PSD, em Castelo de Vide, para outro discurso de rentrée onde, mais uma vez, só deverá ter olhos para António Costa (mesmo que nunca ouse dizer o seu nome).