Rádio Observador

Eleições Legislativas

Debate BE/PAN. Era para ser um duelo, mas ficou ali entre a convergência e… a condescendência

133

Foi o primeiro debate de André Silva desde que é deputado. Como primeira adversária teve Catarina Martins, que fez de anfitriã, por vezes condescendente. Houve acusações mas também muita convergência.

Foi o primeiro debate pré-eleitoral para André Silva desde que o PAN entrou para o Parlamento, nas legislativas de 2015. Umas eleições que catapultaram o Bloco de Esquerda de Catarina Martins para o terceiro lugar, alcançando o melhor resultado de sempre e uma bancada de 19 deputados. Agora, e depois de uma legislatura em que a esquerda — e até o PAN — ajudaram um governo minoritário socialista a chegar ao fim da legislatura, os dois líderes encontrararam-se nos estúdios da SIC para um frente-a-frente inédito.

Talvez pela novidade, talvez por ser a estreia de André Silva nestes palcos, Catarina Martins — que neste dia completava 46 anos — surgiu com uma postura diferente daquela com que costuma entrar para os debates. Em vez de assumir desde cedo uma posição mais combativa, a coordenadora do BE apresentou-se menos aguerrida, chegando até a exibir por vezes alguma condescendência para com o estreante. Tinha o objetivo de mostrar que o BE é um partido mais maduro e completo do que o PAN.

Já André Silva, apresentou-se amigável mas não deixou de ir a jogo. Muito à-vontade em temas ambientais e mais tenso noutros temas, o líder do PAN teve uma estreia pouco marcante, onde esteve quase a ser encostado à parede mas onde também conseguiu surgir na ofensiva. A convergência entre os dois partidos não permitia muito mais, a informalidade no tom não ajudava. Foi o debate possível entre o BE e o PAN.

A anfitriã Catarina vs. o estreante André

Como se fosse a anfitriã que quer bem-receber o convidado em sua casa, a bloquista lembrou várias convergências que existiram ao longo da última legislatura entre os dois partidos. “Nós [BE] temos uma enorme convergência com o PAN. Temos tido, gostamos de ter e julgo que isso tem sido importante”, disse em jeito de boas-vindas. Mas para que ficasse claro que queria que André Silva estivesse à-vontade mas não “à-vontadinha”, Catarina Martins ia trazendo as divergências para cima da mesa a espaços. “Para nós é importante a ideia de que o Estado Social deve ser igual para todos. O PAN não valoriza esta questão da mesma maneira”, chegou a referir na primeira intervenção.

Sempre com um tom cordial, a líder do BE começou a querer guiar o o debate para temas onde tentaria pôr o adversário a patinar. No fim da sua intervenção inicial, falou da proposta que o PAN tem para o sistema de Segurança Social: “Uma espécie de plafonamento”, definiu Catarina Martins, repescando para esta campanha um palavrão que ficou célebre nas legislativas de 2015. A alfinetada com mais veneno na ponta, veio a seguir: “A proposta do PAN põe em causa as pensões que estão a ser pagas”.

Depois de elogios mas também de algumas críticas cordiais, tinha chegado a vez de André Silva fazer a sua intervenção e responder a Catarina Martins. “Tem havido muito convergência em matéria climática”, identificou à partida, antes de querer colher para si os louros desse entendimento. “O BE tem convergido com o PAN” e não vice-versa. E depois foi a jogo: “Nós não achamos que somos todos iguais dizemos é que devemos ter todos os mesmos direitos de acesso ao Estado Social”, começou por dizer.

Explicou que a medida do PAN “não põe em causa as pensões em pagamento” porque diz respeito apenas “às futuras pensões” e considerou ainda que aquilo que propõe não se trata “de um plafonamento” mas sim de uma proposta que visa colocar um teto máximo às pensões que se pagam.”Queremos é que não se paguem pensões milionárias, tem de haver um teto máximo. Penso que o BE deve concordar”, afirmou, devolvendo a provocação.

À frente de Catarina Martins, um preparado André Silva tinha dado uma resposta suficientemente segura. Mas a líder do Bloco de Esquerda não desarmou. Notando que o PAN não põe de parte, na sua proposta, o recurso a entidades privadas para questões de reforma, a líder do Bloco de Esquerda lembrou que as pensões sociais representam “18 mil milhões de euros todos os anos” e, perante as explicações dadas pelo seu adversário, terminou dizendo que a medida do PAN não estava bem feita. “Com toda a simpatia, não está bem elaborada”.

André Silva ouviu mas não respondeu diretamente e voltou a insistir na explicação da medida do seu partido. “Estamos de acordo com o mesmo princípio: não há qualquer tipo de plafonamento na contribuição. Aquilo que prevemos é que haja outro tipo de mecanismos para fazerem aforros, o da capitalização pública também”, ripostou.

As regras do jogo estavam definidas: cordialidade na forma, divergências e muitas convergências no conteúdo, e informalidade no tom — foram várias vezes em que se trataram apenas pelo nome próprio.

Espelho meu, espelho meu, há alguém mais ambientalista que eu?

Quando o debate entrou em temas ambientais, foi difícil levar os dois líderes partidários a discordar. André Silva tentava mostrar que o PAN era o partido mais ecologista mas não hostilizava o Bloco de Esquerda, com quem várias vezes se entendeu nos últimos quatro anos nesta matéria. “O Bloco também dá prioridade ao ambiente, mas gostaria de constatar que foi o PAN que conseguiu impor o campo ambiental como um campo político autónomo. O PAN não perdeu nenhuma oportunidade para chamar a atenção para essa matéria”, referiu sem dar argumentos ou exemplos.

Uma proclamação que encontraria uma Catarina Martins no mesmo registo. Concordava com a necessidade de “responder à emergência climática” mas queria mostrar que o BE é que era o partido mais preparado para ser o rosto desse discurso. Para isso utilizava o argumento de que os bloquistas não se fixam apenas na área do ambiente para fazer face ao problema climático. A resposta, defendeu a líder bloquista, deve ser estrutural, transversal a todas as áreas de governação. “Precisamos de investimento público para fazer toda esta transformação”.

A ideia era simples: mostrar um partido maduro por oposição a um partido recente, que ainda está verde. “Não é com taxas às empresas que poluem que vamos reduzir a poluição”, chegou a afirmar. “O BE propõe um programa assente na ferrovia, reconversão da indústria e queremos transformar o nosso território”, rematou.

Na resposta, André Silva não respondeu às provocações diretas e preferiu destacar as áreas onde havia convergência entre os dois partidos. A diferença far-se-ia por outras medidas do programa do PAN como a “democratização da produção de energia”. Uma proposta que prevê que um utilizador comum possa produzir e distribuir energia. “É possível legislarmos no sentido de democratizar a produção e distribuição de energia”.

Discordaram sobre a necessidade de nacionalizar mas concordaram que há barragens a mais. Catarina Martins tentava que André Silva se comprometesse com temas maiores, mais nacionais, André Silva preferia ficar-se pelas áreas onde estava mais confortável.

Catarina Martins trocou social-democracia por “eco-socialismo”

Já na reta final do debate, Catarina Martins foi desafiada pela moderadora, Clara de Sousa, a confirmar a frase que tinha dito em entrevista ao Observador onde apresentava o programa do BE como sendo “social-democrata”. A líder bloquista não quis responder diretamente, assim como evitou falar sobre a polémica gerada após ter afirmado que as barragens provocavam evaporação. Ia-se esquivando mas pressionada pela jornalista lá confessou que hoje em dia o “Bloco de Esquerda é um partido eco-socialista”.

Já André Silva considerou que “o programa do BE é um programa com respostas socialistas”. Quanto ao seu próprio partido que recusou auto-rotular-se. “O PAN não se situa nem à esquerda nem à direita porque o modelo económico vigente não é o capitalismo: é o produtivismo-extrativismo“. E concretizou: “Vivemos numa economia de mercado que o PAN respeita e não diaboliza”.

Quando parecia que o debate se encaminhava para o fim já sem grandes discordâncias à vista, Catarina Martins voltou a insistir na questão da nacionalização da EDP. “O PAN acha que vamos pedir por favor ao estado chinês para ter cuidado com o clima ou vamos ter de ser nós a agir”. André Silva respondeu que “nacionalizações ou privatizações não são a base” mas sim “o mecanismo” de uma visão diferente da estratégia para energia.

“Às vezes tenho uma certa pena de que o PAN, que compreende a solidariedade do ponto de vista do ecossistema, tenha depois dificuldade em ter solidariedade com a nossa democracia”, concluiu Catarina Martins.

Certo é que o debate terminou com Catarina Martins e André Silva de novo em convergência e, aparentemente, amigáveis. “O André é um lutador pelas suas convicções. Merece a admiração de quem tem visto este percurso, apesar das divergências”, salientou a líder do BE. André Silva concluiu o debate a criticar António Costa por não dar prioridade ao combate às alterações climáticas, como o PAN ou o BE.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)