Rádio Observador

Aeroporto de Lisboa

Oleoduto para o Montijo é possibilidade complexa e tem custo elevado, diz presidente da ANA

167

A ANA está "obviamente interessada" no abastecimento por oleoduto ao novo aeroporto, mas o investimento é das petrolíferas. Há uma possibilidade, mas é tecnicamente complexa e tem custo elevado.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O abastecimento de combustível ao futuro aeroporto complementar do Montijo através de um oleoduto é uma possibilidade que está a ser discutida. mas há dificuldade de viabilização económica. Quem o diz é o presidente executivo da ANA, a concessionária dos aeroportos portugueses que está a desenvolver o projeto. Thierry Ligionnière diz que a empresa gostaria que houvesse esse desenvolvimento, mas acrescenta que o projeto de um pipeline está fora do perímetro concessionado à ANA.

“Obviamente que nos interessa”, afirmou o presidente da ANA em resposta aos jornalistas, à margem de uma conferência promovida esta terça-feira no Parlamento sobre o novo aeroporto do Montijo que se encontra em consulta pública. A concessionária já teve contactos com as empresas petrolíferas para avaliar se havia interesse, mas há dificuldades em termos de viabilização económica. “Há um oleoduto que vai de Sines a Aveiras (parque de combustíveis) e o nosso entendimento é que há uma possibilidade técnica, mas que é bastante complexa em termos de implementação e o custo de investimento é muito elevado”.

Segundo Thierry Ligionnière, seria necessário fazer um desvio desse pipeline para abastecer o Montijo. O abastecimento por oleoduto está também a ser estudado para o aeroporto Humberto Delgado, existindo neste caso um projeto da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), que gere o Parque de Aveiras, para reutilizar uma conduta desativada da Epal. Este solução ganhou força após greve dos motoristas de mercadorias perigosas de abril que secou rapidamente o aeroporto de Lisboa de jetfuel que é trazido em dezenas de camiões por dia de Aveiras até à Portela.

O presidente da ANA diz ainda que este não será um investimento para a concessionária do aeroporto, mas sim das empresas petrolíferas. A inexistência de um pipeline para abastecer o Montijo no projeto proposto pela ANA foi uma das falhas apontadas por deputados e organizações ambientais no debate sobre o novo aeroporto que se realizou esta terça-feira por iniciativa da comissão parlamentar de Economia e Obras Públicas. Já o presidente da APA (Agência Portuguesa do Ambiente) defendeu que este é um tema atual e importante sobre o qual o país deve refletir.

Na sessão da tarde, e confrontado com os impactes negativos no lado do ruído, os responsáveis da ANA adiantaram que estão previstas comparticipações financeiras para as famílias afetadas poderem instalar proteções contra o ruído nas zonas mais afetadas pelo novo aeroporto. Mas isso só deverá avançar após o primeiro ano de operação. De acordo com o estudo de impacte ambiental, as populações da Moita e do Barreiro serão as mais afetadas, mas os técnicos da ANA acrescentam que o nível de ruído estará dentro do limite legalmente permitido.

O presidente executivo da ANA reafirmou que o Montijo é a única solução viável para a Vinci, a empresa francesa que é dona da ANA, porque está de acordo com o caderno de encargos definido pelo concedente, o Estado. E entre as condições está um projeto de expansão aeroportuária que não tenha impactos financeiros para o Estado e possa ser feito rapidamente.

E há um plano B, para o caso do aeroporto no Montijo não conseguir a declaração de impacte ambiental? “Os planos não são definidos pela ANA, mas sim pelo Governo. A ANA propõe soluções”, afirmou Thierry Ligionnière.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)