Com 95% dos votos contados, segundo a imprensa israelita, o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu e Benny Gantz, antigo chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas que lidera a coligação centrista, estão neste momento numa situação de empate.

Na terça-feira, os israelitas foram a votos pela segunda vez em cinco meses para escolher o próximo chefe de Estado. Se estes resultados se mantiverem, esperam-se longos meses de negociações para um futuro governo.

Fonte oficial da campanha, citada pelo The Guardian, tem dado percentagens diferentes desde esta manhã. Pelas 13h00, o jornal dizia que já tinham sido contados 62% dos votos e que os resultados punham a oposição (a coligação Azul e Branco) com 25,66% e o Likud com 25,03%, com um total de 25 mil votos de diferença entre os dois. No entanto, os órgãos de comunicação social locais afirmam, desde o início da manhã, que já foram contados cerca de 91% dos votos.

No Haaretz, os resultados também mostram que o empate entre Likud Azul e Branca se mantém. Contudo, uma última atualização mostra que a esquerda poderá ter vantagem nos assentos parlamentares: 56, face aos 55 do Likud em coligação. O partido Likud, só por si, tem atualmente 31 lugares no parlamento. Resultados definitivos ainda não existem e continua a não ser claro quem vai obter a maioria no parlamento.

O The New York Times diz mesmo que face a estes resultados, serão os partidos mais pequenos a definir os resultados destas eleições, pela via da coligação. Para este jornal, este é um resultado “sombrio” para Netanyahu, o primeiro-ministro mais antigo de Israel. Para o seu opositor, Gantz, ele “não concluiu a sua missão”.

“Ao longo dos próximos dias, vamos negociar para implementar um governo sionista forte e para evitar um perigoso governo anti-sionista”, afirmou durante a manhã desta quarta-feira Benjamin Netanyahu. Por sua vez, Benny Gantz disse que vai procurar formar um governo com os opositores políticos.

Sondagens à boca da urna davam empate técnico

Na noite de terça-feira, a projeção do Canal 12 da televisão israelita, citada pela publicação Haaretz, mostra o partido de Gantz com 34 assentos no Knesset (o parlamento israelita) e aponta 33 assentos para o Likud. O Canal 13 dá 33 assentos à coligação centrista e outros 31 ao Likud. Uma terceira sondagem, da estação de televisão estatal Kan, mostra os partidos empatados com 32 deputados.

Segundo as sondagens, nem o partido Likud, de Netanyahu, nem o partido centrista Azul e Branco, de Gantz, conseguirão apoio político suficiente para formar Governo, já que nenhum deles alcançará os 61 lugares necessários no parlamento.

O movimento Lista Unida, que agrupa os partidos árabes, deverá ser a terceira lista mais votada no parlamento, de acordo com as sondagens, obtendo entre 11 e 13 deputados. O partido de direita Israel Our Home fica para trás, conseguindo apenas 10 deputados, segundo a estação Kan, e oito, segundo o Canal 12.

O ultra-ortodoxo Shas deverá, por sua vez, alcançar entre oito e nove deputados, e o Judaísmo Unido pela Tora conseguirá oito deputados, segundo todas as sondagens à boca das urnas. A coligação de partidos de direita e ultra-direita, Yamina, liderada por Ayelet Shaked (ex-ministro da Justiça), terá entre seis e oito deputados.

Os partidos menos votados, segundo as sondagens, será o Labes-Guesher, que une o histórico Partido Trabalhista e um dos partidos de centro-direita, e a União Democrática, que inclui a esquerda pacifista, ficando ambos estas duas forças políticas com cinco a seis deputados. Ainda de acordo com as sondagens, o partido extremista Poder Judaico (liderado por Otzmá Yehudit) não atingirá os 3,25% dos votos, que lhe daria entrada no parlamento.

Até às 20h00 locais (menos duas que em Portugal continental) votaram 63,7% dos eleitores, 2,4 pontos percentuais a mais do que o registado nas eleições de abril último, isto de acordo com o Comité Central de Eleições.

A 9 de abril de 2019, o Likud de Netanyahu venceu as eleições legislativas com 26,46% dos votos, elegendo 35 deputados. No entanto, a coligação centrista Azul e Branco ficou imediatamente atrás com 26,13% dos votos — Gantz elegeu igualmente 35 deputados para o Knesset (o parlamento israelita) e impediu a formação de uma maioria clara.