As forças do exército turco estão este sábado a avançar no nordeste da Síria para controlar auto-estradas que serão pontos estratégico para o ataque contra os curdos, avança a Associated Press. O avanço marca o quarto dia em que a Turquia, perante fortes críticas internacionais, continua o confronto na região.

A agência de notícias turca diz que as forças da oposição na Síria, apoiadas pelo exército da Turquia, já têm o controlo completo da auto-estrada M-4 que liga as cidades de Manbij a Qamishli. As tropas turcas já conseguiram também cortar as ligações entre Hassakek e uma das principais cidades sírias, Aleppo.

Este avanço dos turcos começa apenas um dia depois de o executivo dos EUA ter retirado tropas norte-americanas desta região, o que teria impedido esta progressão das tropas. Donald Trump, o presidente norte-americano, justificou a decisão para impedir que o país continue envolvido em “guerras sem fim”. Críticos destas decisão dizem que os EUA puseram em risco a vida de aliados curdos que ajudaram a derrotar o ISIS.

A Turquia continua a justificar a ofensiva por considerar que os curdos estão ligados a atos de terrorismos no país euro-asiático. Ao todo, segundo as Nações Unidas, mais de 100 mil pessoas tiveram de ser deslocadas e mais de 500 mil vidas podem estar em risco no nordeste da Síria.

O primeiro objetivo deste ataque à Síria era capturar cidade de Ras al-Ayn, que foi anunciada este sábado. As tropas turcas querem libertar a cidade de tropas curdas. Segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, desde quarta-feira já morreram 74 militares curdos e 21 civis sírios. O governo turco afirma que já “neutralizou” 415 tropas curdas. Da parte da Turquia, já morreram quatro militares.

As Forças Democráticas da Síria integram as Unidas de Proteção do Povo (YPG), milícia curdo-síria, e outras forças árabes que combateram o Estado Islâmico (EI) na Síria.

A Turquia declarou que o objetivo da ofensiva na Síria é combater e afastar da região as YPG – apoiada até agora por forças ocidentais, entre os quais os Estados Unidos da América, pelo combate ao EI – que os turcos consideram uma organização terrorista pelas suas ligações com uma insurgência curda na Turquia.

*Notícia atualizada Às 12h13 com informação da captura da cidade Ras al-Ain.