O governo chinês vai proibir os menores de jogarem online entre as 22h e as 8h. Estão ainda limitados a uma hora e meia de jogo durante a semana e três ao fim-de-semana, avança a BBC.

As medidas fazem parte da nova legislação anunciada na terça-feira pelo governo chinês, que visa controlar e diminuir o vício pelos videojogos, que segundo este “afetam a saúde física e mental, a aprendizagem e a vida dos menores”.

O ‘Aviso’ reflete plenamente o princípio de priorizar os benefícios sociais e priorizar a proteção dos menores, aderindo a medidas orientadas para o problema”, pode ler-se no documento publicado pelo governo chinês.

Para isso, serão implementadas seis medidas, incluindo a restrição das horas a que podem jogar e do tempo durante o qual podem jogar. Os jovens chineses serão ainda obrigados a enviar documentos que provem a sua identificação quando fazem o registo em jogos online. As medidas têm também em conta a parte financeira do problema: as crianças dos 8 aos 16 anos não poderão gastar mais de 200 renminbis (25,8 euros) por mês em jogos e os jovens dos 16 aos 18 têm como limite os 400 renminbis (51,6 euros).

Já em relação às empresas, será fortificada a supervisão das mesmas e melhorado o sistema restrição de idades. A sexta medida foca-se nos pais e nas escolas e tem como objetivo incentivar a supervisão destes em relação às ações das crianças.

Esta não é a primeira vez que a China tenta responder a este problema. Em 2018, o governo anunciou uma nova regulação para jogos, que limitava o número de novos jogos e impunha restrições de idades, escreve a BBC. No mesmo ano, a Organização Mundial de Saúde “distúrbios com videojogos” como um problema de saúde mental.