Maria foi, mais uma vez, o nome feminino mais popular em 2019. De acordo com os dados do Ministério da Justiça, divulgados pela TVI24, este ano, foram registadas em Portugal 5.198 Marias. Em segundo lugar no top, ficou novamente Leonor, com 1.451, seguido de Matilde, com 1.374, que já tinha ficado nesta posição no ano passado.

Raparigas: top 10 de 2019

Mostrar Esconder
  1. Maria (5.198)
  2. Leonor (1.451)
  3. Matilde (1.374)
  4. Carolina (1.064)
  5. Beatriz (974)
  6. Alice (915)
  7. Benedita (896)
  8. Mariana (794)
  9. Ana (782)
  10. Francisca (774)

Ministério da Justiça/TVI24

Nos rapazes, Francisco foi, pela primeira vez, o nome mais popular, com 1.618 registos. Em 2018, o primeiro lugar foi para João, que passou para a segunda posição este ano, com 1.544 registos. Em terceiro lugar, ficou Santiago, com 1.391.

Rapazes: o top 10 de 2019

Mostrar Esconder
  1. Francisco (1.618)
  2. João (1.544)
  3. Santiago (1.391)
  4. Afonso (1.227)
  5. Gabriel (1.208)
  6. Duarte (1.197)
  7. Lourenço (1.188)
  8. Miguel (1.159)
  9. Rodrigo (1.143)
  10. Tomás (1.132)

Ministério da Justiça/TVI24

O top dez dos nomes de rapazes e raparigas que a TVI24 divulgou esta terça-feira confirma uma vez mais o gosto tradicional dos portugueses, ainda que, olhando para as posições mais baixas, seja possível encontrar nomes mais fora do comum. Em entrevista ao Observador em 2015, Ivo Castro, especialista em onomástica, explicou que “a maior parte dos portugueses tem um nome que já existia na família”, uma tradição com “um caráter muitíssimo conservador” que “garante que, de tantas em tantas gerações, os mesmos nomes reapareçam”.

É por isso que, ano após ano, surgem os mesmos nomes na tabela, como Maria para as raparigas e João para os rapazes. No primeiro caso, trata-se de uma popularidade muito antiga, que está relacionada com uma altura em que as crianças só podiam ser registadas com nomes de santos. Além disso, trata-se de um nome que nunca surge sozinho. “Não é Maria simples, mas Maria de alguma coisa”, disse o especialista ao Observador. “No fundo o que contava era o segundo elemento do nome.”

Cleópatra, Ludovico e Asdrubal. Porque é que o pai escolheu estes nomes?

O fenómeno João já é mais recente, tendo surgido nos anos 90, altura em que ultrapassou José na popularidade. Em 2019, este último já nem surge no top dez.