Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não houve alegria, nem êxtase, embora Assunção Cristas tenha sido recebida com aplausos. Esteve pouco mais de meia hora no pavilhão do Congresso e regressou à base, a casa. Foi num clima pesaroso e num tom confessional que disse: “Falhei“. Disse que se tratava de “reconhecer uma evidência”, mas levou com ela todo os militantes, lembrando que a estratégia que todos agora criticam foi, afinal, aprovada por todos: “Este caminho foi sufragado em Gondomar e depois em Lamego“. E acrescentou: “Cumpri um caminho traçado e a estratégia proposta”.

Assunção Cristas destaca assim que falhou no “resultado” e “porventura na análise das possibilidades que se abriam com as novas circunstâncias políticas” e assumiu: “Os resultados ficaram muito aquém das minhas e das vossas expectativas”. Essa estratégia, recorda, mais não era que “um caminho de oposição firme e construtiva, com ambição e responsabilidade“. E que apostou nesse “caminho próprio, num posicionamento de oposição responsável e construtiva, de oposição intensa e permanente. Quer na substância, quer no estilo.”

Se há dois anos tinha sido anunciada pelo speaker como a “futura primeira-ministra de Portugal”, desta vez a Assunção Cristas restou-lhe o palanque para o mea culpa. Ainda assim, quase a pedir desculpa por o fazer, de quem está diminuída na sua autoridade, fez um pedido para os próximos dias: “Se vos posso fazer um pedido é que o debate deste congresso seja profundo, sério, leal e a olhar para o futuro”. Para Cristas, o Congresso deve promover um “debate assente nas ideias e nas pessoas, porque em política não há boas ideias sem boas pessoas para as defender e o inverso também é verdade”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Cristas revisitou o seu percurso na liderança lembrando que em autárquicas e nas regionais dos Açores, antes do Congresso de Lamego, o CDS provou estar “acima de muitas expectativas.” Mas foi um ciclo difícil, lembra, pelo sucesso da “geringonça”. “Durante quatro anos a solução de governo minoritário socialista apoiado nas esquerdas funcionou”, lembrou, numa alusão aos orçamentos e programas de estabilidade aprovados quando ninguém esperava.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Ainda sobre a sua falha, Cristas lembrou que “uns dirão que a estratégia estava errada, outros que se cometeram erros táticos ou de comunicação ou que falhámos na avaliação das circunstâncias”. A líder cessante confessa que ouviu “atentamente muitas análises e, naturalmente, tenho a minha própria”. Mas não a quis dar: “Não é nem o momento nem o dia apropriado para dissecar os erros desse roteiro. O tempo encarregar-se-á dessa análise detalhada”.

E deixou ainda uma frase que mostra o seu estado de espírito: “Não me desiludi porque nunca tive ilusões e sempre soube que em política nunca se pode esperar reconhecimento”.

Ouça aqui o discurso completo de Assunção Cristas:

“Falhei”. Ouça o último discurso de Cristas no CDS