O Grupo Renault, que além da marca francesa que lhe dá nome, inclui ainda a desportiva Alpine e a acessível Dacia, entre outras, já propõe aos automobilistas europeus alguns veículos eléctricos, tanto de passageiros, como Zoe, como de carga, como o Kangoo ZE e Master ZE. A gama vai ser reforçada em 2020 com um eléctrico mais barato, ainda que com uma autonomia longe dos 395 km do Zoe com bateria de 52 kWh, quando o Twingo ZE chegar ao mercado. Mas as novidades não vão ficar por aqui.

Em entrevista ao Automobilwoche, o responsável pelas vendas do grupo francês, Olivier Murguet, avançou que em 2021 vai chegar à Europa um eléctrico a bateria ainda mais acessível do que o Twingo, modelo que herda a mesma solução que os franceses desenvolveram e produziram para os eléctricos da Smart. Só que esse modelo que vai ajudar a democratizar a tecnologia vai ter emblema Dacia, visando assumir-se como o mais barato do mercado.

4 fotos

O veículo em causa já existe, mas exclusivamente na China, onde é comercializado como Renault City K-ZE, um pequeno SUV que foi inicialmente revelado ao público no Salão de Paris de 2018. O eléctrico é produzido na China e monta um motor com 45 cv e 125 Nm de binário, não muito longo dos 160 Nm do Dacia Duster 1.0 TCE de 100 cv a gasolina e certamente a um regime mais favorável.

As novidades que se esperam para as diferentes marcas do grupo francês, entre 100% eléctricos, híbridos e PHEV

A bateria é de apenas 26,8 kWh, inferior aos 52 kWh do Zoe, mas garante 272 km em norma NEDC, valor que deverá cair para cerca 200 km em WLTP, fazendo assim quase jogo igual com o Mazda MX-30, Honda e, Mini Electric e, de forma mais que evidente, o Smart EQ Forfour, que com 17,6 kWh se fica pelos 129 km entre recargas.

O Dacia Urban City Car deverá continuar a ser produzido na China, como em breve vai acontecer com os Smart, propondo um preço que deverá rondar os 15.000€ na Europa. A ser assim, ficará abaixo dos valores praticados pelos VW e-up!, Seat Mii Electric e Skoda Citigoe iV, que rondam os 20.000€, ainda que o Dacia tenha menor autonomia.