Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Ministério Público de Belgrado ordenou à polícia sérvia que avance com uma queixa-crime contra o jogador de futebol Luka Jovic por este não estar a cumprir as ordens de auto-isolamento, explica o jornal sérvio Blic. Com base nesse jornal, o espanhol As conta que Jovic, antigo jogador do Benfica, furou a quarentena imposta aos jogadores do Real Madrid e voou para o seu país de forma a celebrar o aniversário da namorada. 

De acordo com as informações avançadas pelo mesmo Blic, apesar da viagem Madrid-Belgrado já ter sido uma violação das regras impostas pelo Real, Jovic cometeu outra infração, desta vez  mais grave e já no seu país. Quando entrou na Sérvia indicou a morada onde iria estar em isolamento (medida imposta pelo estado de emergência invocado pelo presidente Aleksandar Vučić na passada segunda-feira) mas, quando foi visitado pelas autoridades que procuravam confirmar se estava a cumprir o isolamento obrigatório, o jogador não estava em casa.

A polícia avisou Jovic que se voltasse a fazer o mesmo seria preso imediatamente, mas para os procuradores de Belgrado a violação foi suficiente para justificar que mal termine o período de quarentena generalizado, Jovic será alvo de uma queixa crime formal. “Isto pode acontecer daqui a um mês”, esclarece fonte do jornal sérvio junto da procuradoria desse país.

O jogador correrá o risco de receber uma pena de prisão de três anos, motivada por este exemplo de desobediência civil, e já foi ordenado a pagar uma multa de 150000 dinares (cerca de 1300€).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta quinta-feira, Nebojsa Stefanovic, a ministra do Interior da Sérvia, deixou claro que ninguém estaria isento de receber duras sanções por violar as ordens de quarentena.

Ser atleta rico não nos impede de aplicar multas. Ou cumprem as regras ou vão para a prisão. Já redigimos as acusações criminais contra alguns destes atletas ricos. Só na noite passada foram 87 e as sentenças das mesmas podem variar entre um e 12 anos de prisão efetiva. Estas pessoas vão responder em tribunal na hora certa”, disse Stefanovic em direto num programa televisão matinal.

Milan Jovic, o pai do avançado, diz que o filho chegou à Sérvia na semana passada e foi visto a percorrer as ruas de Belgrado. Embora tenha sido “testado em Espanha” e dado como “não infetado”, diz o mesmo Milan ao jornal sérvio que as regras que vigoram neste país dos Balcãs aplicam-se a todos e nada invalida que, desde o dia em que foi testado à data em que foi visto em Belgrado, não tenha contraído Covid-19.

Quando Jovic saiu de Espanha (na noite de quinta-feira, 18 de março) existiam 14 535 casos confirmados de infeção com o vírus e 630 mortes.