“Será perfeitamente normal se o vírus aparecer e desaparecer e durar um ano ou dois.” A previsão é de Zhang Wenhong, um dos principais especialistas da China em doenças infecciosas. O médico falava sobre a Europa durante uma videoconferência organizada pelo consulado chinês de Düsseldorf, Alemanha. “Digo-vos, desde já: esqueçam a ideia de que a pandemia na Europa vai acabar num futuro próximo.”

O virologista é líder da equipa de especialistas clínicos em Covid-19 de Xangai e tornou-se popular na China pela abordagem franca que tem feito sobre a pandemia e pelo seu discurso pouco suave. “Para resolver este surto num curto período de tempo, era necessário medidas extremamente radicais”, defendeu. E essas, na sua opinião, passariam por cancelar tudo, parar tudo, no mundo inteiro, durante um mês.

“Se pelo menos o mundo pudesse parar de se mover durante quatro semanas, a pandemia seria travada”, disse o médico, citado pelo South China Morning Post. “Mas não consigo imaginar que seja possível uma paragem total global. Nem na Alemanha, nem na Europa.”

Na China, defendeu, as cercas sanitárias foram facilitadas pelo facto de o surto ter coincidido com o Ano Novo Chinês, o que fez com que as escolas estivessem fechadas e muitos negócios e comércio também ou estivessem, pelo menos, preparados para encerrar portas por causa do feriado.

No final, terminou com uma nota positiva: “Começo a ver uma tendência de os governos serem mais pro-ativos. Se as estratégias de todos os países se tornarem cada vez mais vigorosas, o controlo efetivo da pandemia será apenas uma questão de tempo.”