Portugal tem 25.702 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica no país desta terça-feira, dia 5 de maio. Houve um aumento de 178 casos, num acréscimo percentual de 0,7%, menos 0,3% do que na véspera. Já o número de mortes subiu de 1.063 para 1.074, mais 11, o que fez subir ligeiramente a taxa de letalidade para 4,18% (4,16% na véspera). Já o número de casos recuperados passou para 1.743, mais 31 do que na véspera, uma subida de 1,8% (mais 0,4% do que ontem).

Logo aqui ressaltam duas das principais conclusões do dia a nível de números. Por um lado, este é o terceiro menor crescimento em termos brutos no número de novos casos em 24 horas desde 20 março, apenas superado pelos valores registados no último domingo (apenas mais 92 novos casos) e no dia 27 de abril (163 novos casos). Por outro, não se registavam tão poucas mortes desde 25 de março (dez) – ou seja, há quase mês e meio. No entanto, ainda nesse capítulo, este foi também o dia que tornou pública aquela que é a morte da pessoa mais nova por Covid-19 em Portugal, um homem entre os 20 e os 29 anos (antes o registo era um homem de 40 anos).

Nota ainda para uma inversão acentuada num outro dado: pela primeira vez desde o início da pandemia existiram mais novos casos e mais óbitos na região de Lisboa e Vale do Tejo do que no Norte.

[Acompanhe aqui tudo o que tem mesmo de saber no mapa interativo sobre o coronavírus em Portugal]

O que tem mesmo de saber sobre o coronavírus em Portugal

A análise do Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica em Portugal desta terça-feira, dia 5 de maio, pode ser feita através de vários pontos distintos, a saber:

Número total de casos, mortes e recuperados

Há 40 dias que não havia tão poucas mortes. Portugal tem 25.702 casos confirmados de Covid-19, segundo o Relatório da Direção Geral da Saúde sobre a situação epidemiológica no país desta terça-feira, dia 5 de maio. Houve um aumento de 178 casos, num acréscimo percentual de 0,7%, menos 0,3% do que na véspera (terceiro registo mais baixo desde 20 de março). Já o número de mortes subiu de 1.063 para 1.074, mais 11, o que fez subir ligeiramente a taxa de letalidade para 4,18% (4,16% na véspera) – o valor mais baixo a nível de óbitos desde 25 de março (dez). Já o número de casos recuperados passou para 1.743, mais 31 do que na véspera, uma subida de 1,8% (mais 0,4% do que na véspera, onde houve mais 23 casos recuperados no país).

Caracterização dos óbitos

Portugal com a vítima mais nova por Covid-19. Mantém-se a incidência nas pessoas acima dos 70 anos (8 das 11 mortes neste Boletim), que representam 87,2% das 1.074 mortes por Covid-19 no país (721 acima dos 80 anos, 216 entre os 70 e os 79 anos). Das 11 mortes nas últimas 24 horas, sete registaram-se em pessoas acima dos 80 anos. Todavia, o grande ponto do Boletim passa pela primeira morte de um homem na faixa entre os 20 e os 29 anos, a vítima mais nova no país. A nível de regiões, e ao contrário do que habitual nestas últimas semanas, Lisboa e Vale do Tejo teve mais mortes nas últimas 24 horas (cinco, num total de 223) do que o Norte (quatro, num total de 613). Nota ainda para mais duas vítimas no Centro, que ontem não tinha registado óbitos (total de 211).

Caracterização do número de casos por região

Lisboa e Vale do Tejo com registo de mais novos casos do que o Norte. O Norte continua a ser a região com o maior número de casos mas regista-se neste Boletim uma inversão àquilo que era quase uma regra: Lisboa e Vale do Tejo teve um aumento muito maior do que todas as outras regiões, com mais 105 casos num total de 6.241 (subida de 1,7%). No Norte foram contabilizados mais 58 casos, num total de 15.199 (subida de 0,4%), ao passo que no Centro registaram-se mais 11 casos, num total de 3.489 (subida de 0,3%). Açores (132) e Madeira (86) continuam sem registar novos casos, ao contrário de outras duas subidas residuais que se verificam neste Boletim no Sul (mais dois, total de 335) e também no Alentejo (mais dois, total de 220).

Número de países e casos importados

Portugal mantém linha sem novos casos importados. À semelhança do que já tinha acontecido na semana passada, o Boletim de hoje não apresenta qualquer variação a nível de número de casos importados nem países de importação, mantendo-se assim os 751 casos de 48 países. Espanha (171), França (137), Reino Unido (88), Emirados Árabes Unidos (48) e Suíça (45) são os cinco países com maior registo de casos importados.

Número de casos por grupo etário

42,7% dos novos casos acima dos 70 anos. A faixa entre os 50 e os 59 anos continua a ser aquela que tem o maior número de casos de Covid-19, de acordo com o Boletim de hoje: mais 11 casos, num total de 4.343, enquanto a faixa entre os 40 e os 49 anos registou mais 15 casos, num total de 4.276. Ainda assim, a grande variação do dia acabou por ser a percentagem mais alta dos novos casos acima dos 70 anos, que foi nas últimas 24 horas de 42,7%, entre a faixa dos 70 aos 79 anos (mais 31, num total de 2.264) e acima dos 80 anos (mais 45, num total de 4.045). Num dado também diferente em relação aos últimos relatórios, as duas faixas com maior número de casos, dos 40 aos 49 anos e dos 50 aos 59 anos, tiveram apenas uma subida bruta de 26 casos, ou seja, 14,6%.

Número de casos internados e nos cuidados intensivos

Mais cinco casos em internamento, ao contrário dos casos em UCI. Depois da grande descida na véspera (5%, num total de menos 43 pessoas), o número de casos internados por Covid-19 sofreu um ligeiro aumento (mais cinco, subida de 0,6%, num total de 818). Em contrapartida, houve mais uma vez um decréscimo dos casos em Unidades de Cuidados Intensivos (total de 134 casos em UCI, menos 6,3%). Desde de 28 de março que Portugal não tinha um número tão baixo de pessoas a necessitarem de Cuidados Intensivos (então eram 89).

Número de casos suspeitos, não confirmados, em vigilância e a aguardar resultados

Casos suspeitos e não confirmados crescem abaixo de 2%. O Boletim de hoje volta a apresentar valores estabilizados nos parâmetros mais gerais: o número de casos suspeitos teve um aumento de 1,6% (mais 3.978, num total de 258.488) e o número de casos não confirmados subiu 1,7% (mais 3.889, num total de 230.115). O número de contactos em vigilância pelas autoridades de saúde desceu 0,1%, menos 15 num total de 25.066, ao passo que a maior variação esteve no número de casos a aguardar resultados (menos 89, 3,2%, num total de 2.671).

Caracterização dos casos por género

60,2% dos casos registam-se entre mulheres. Continua a confirmar-se uma tendência de distribuição por género em Portugal: a percentagem de mulheres infetadas tem vindo a subir de forma ligeira e gradual, com mais 48 mulheres do que homens infetados apenas em relação a este novo Boletim num total de mais 4.601 casos positivos em mulheres (num total de 15.095 casos, 60,2% dos 25.072 em Portugal).

Número de casos por concelho

Lisboa continua a ser o concelho com mais casos. Lisboa continua a ser o concelho do país com mais casos de Covid-19, num total de 1.579 (mais 12 do que na véspera). Também Vila Nova de Gaia (mais sete, total de 1.425) e Porto (mais oito, total de 1.266), os outros concelhos com mais casos no país, tiveram crescimentos residuais. Entre os concelhos com mais de 200 casos, os maiores crescimentos verificaram-se em Coimbra (mais 50 casos, num total de 508), Amadora (mais 20, num total de 368) e Vila Nova de Famalicão (mais 18, num total de 382).

Caracterização dos casos confirmados por sintomas

Tosse e febre continuam a ser os principais sintomas apontados. Os sintomas apresentados esta terça-feira entre os casos de testes positivos (com informação de 88% desses casos) mantêm-se quase inalterados em relação aos últimos dois dias, após uma forte variação negativa: há uma preponderância maior de tosse (43%, menos 1%) e febre (31%), seguidas de dores musculares (22%) e cefaleia (20%). Fraqueza generalizada (16%) e dificuldades respiratórias (13%) são os sintomas com menor taxa de incidência.