Pela primeira vez na sua já longa história, o concurso dos Tronos de Santo António vai acontecer digitalmente. Devido às restrições impostas na sequência da pandemia do novo coronavírus, o Museu de Lisboa, que recuperou a tradição em 2015 depois de alguns anos de esquecimento, decidiu organizar uma edição digital aberta a todos os portugueses e não apenas aos lisboetas, como é habitual.

As propostas devem ser submetidas até 2 de junho, às 18h, através do preenchimento de um formulário disponível no site do Museu de Lisboa e do envio de uma fotografia do trono, que deve ser construído de forma criativa e usando diferentes materiais (de preferência reciclados). A única coisa obrigatória é a colocação de uma imagem de Santo António no topo da estrutura.

Ao contrário dos anos anteriores, os três tronos vencedores irão receber um prémio monetário, no valor de 500 euros cada.

Ao concurso, seguir-se-á uma exposição, também digital, dos concorrentes. Esta acontecerá nas plataformas do Museu de Lisboa, Cultura na Rua e EGEAC a partir de 13 de junho, dia de Santo António, altura em que serão revelados os vencedores de 2020.

Este ano, os tronos de Santo António voltam a sair à rua

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os Tronos de Santo António, que todos os anos enchem as soleiras das portas dos bairros tradicionais de Lisboa, são uma tradição muito antiga, que remontará ao século XVIII. Com o passar dos anos, a iniciativa foi caindo em desuso, ganhando um novo impulso em 2015, quando o Museu de Lisboa se associou à Junta de Freguesia de Santa Maria Maior para criar este concurso, inserido nas Festas de Lisboa que, este ano, não irão acontecer.

No início de abril, a EGEAC, responsável pela organização das festividades lisboetas, anunciou que, “atendendo ao desenrolar da atual pandemia”, os arraiais, as Marchas Populares e os Casamentos de Santo António não iriam decorrer em 2020. O tema deste ano das marchas, “Amália Rodrigues”, irá transitar para 2021.