Joe Biden, candidato democrata à Presidência dos Estados Unidos, demarca-se da postura assumida pelo Presidente Donald Trump em relação aos protestos motivados pela morte de George Floyd, no Minnesota. Num discurso em Filadélfia, Biden disse sentir empatia com os manifestantes e promete tentar sarar as feridas raciais no país, noticia a CNN.

“Não vou negociar no medo e na divisão. Não vou aumentar as chamas do ódio. Vou procurar curar as feridas raciais que há muito tempo atormentam o nosso país e não usá-las para obter ganhos políticos. Farei o meu trabalho e assumirei a responsabilidade — não vou culpar os outros.”

EUA. “Vocês têm de dominar!” Trump encoraja governadores a prender mais pessoas nos protestos

O antigo vice-presidente, quer afastar-se o mais possível da filosofia seguida por Donald Trump, apostando por isso no tema da campanha para as presidenciais — “a alma da nação”. Biden falou com a família da vítima, visitou um local de protesto na sua cidade natal (Wilmington, Delaware) e falou com os presidentes dos municípios onde ocorreram os protestos, como Atlanta, Chicago, Los Angeles e St. Paul, Minnesota.

E no início do discurso em Filadélfia, o primeiro fora de Delaware em muitos meses, Biden falou da morte de Floyd “como uma chamada de atenção à nação”. “‘Não consigo respirar. Não consigo respirar.’ Foram as últimas palavras de George Floyd. Mas as palavras não morreram com ele. Ainda estão a ser ouvidas. Estão a ecoar pelo país.”

Donald Trump ameaça enviar militares para as ruas se governadores não controlarem tumultos

Trump, por sua vez, apelou aos governadores para que tivessem uma ação mais musculada para parar os protestos. E, na segunda-feira, visitou a igreja episcopal de São João onde posou para a fotografia com uma Bíblia na mão, depois de a polícia ter afastado um grupo de manifestantes pacíficos com gás lacrimogéneo e balas de borracha.

“O Presidente segurou a Bíblia na igreja episcopal de São João ontem. Gostava que ele a abrisse de vez em quando, em vez de apenas a acenar”, disse Biden. “Se a tivesse abrido, poderia ter aprendido alguma coisa.”