Os EUA compraram praticamente todo o stock para os próximos três meses do primeiro medicamento recomendado para tratar a Covid-19, o Remdesivir. Europa e grande parte do mundo ficaram assim impossibilitadas de garantir as suas doses, relata o britânico The Guardian.

Já são muitos os especialistas, cientistas, médicos e ativistas que assumiram estar alarmados com esta ação unilateral norte-americana, sobretudo porque poderá ser um exemplo daquilo que poderá acontecer quando se descobrir uma vacina para a Covid-19. “Eles [EUA] têm acesso à maior parte do stock de remédios [de remdesivir], e por isso não sobra nada para a Europa”, disse Andrew Hill, investigador da Universidade de Liverpool, citado pelo jornal inglês.

Conselheiro de Trump diz que EUA podem atingir os 100 mil casos diários se não inverterem a tendência

O Remdesivir é o primeiro medicamento aprovado pelas autoridades de licenciamento nos EUA para tratar a Covid-19 e é fabricado pela farmacêutica Gilead. As primeiras 140 mil doses esgotaram e o governo de Trump já comprou mais de 500 mil — toda a produção da Gilead para julho e 90% da de agosto e setembro. “O presidente Trump fez um acordo incrível para garantir que os americanos tenham acesso à primeira terapêutica autorizada para o Covid-19”, disse o secretário para a Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Alex Azar. “Na medida do possível, queremos garantir que qualquer paciente americano que precise de Remdesivir consiga obtê-lo. O governo Trump está a fazer de tudo para aprender mais sobre esta terapêutica e para garantir que o povo norte-americano tem acesso a esta opção”, explicou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Agência Europeia de Medicamentos recomenda antiviral já em uso em Portugal

Este medicamento foi criado para combater o vírus do Ébola, mas começou a ser testado na Covid-19 e foi o primeiro a revelar resultados comprovadamente positivos. Legalmente está patenteado pela Gilead e isso significa que nenhuma outra empresa pode produzi-lo. Cada tratamento de seis doses custa mais de 2 mil euros por doente, segundo dados do governo norte-americano. Este acordo é anunciado numa altura em que claro que a pandemia nos EUA poderá fora de controlo, com um dos principais responsáveis na área da saúde a alertar para a possibilidade de chegarem a 100 mil casos diários, caso não sejam tomadas medidas para inverter a tendência.

Cada frasco de Remdesivir vai custar 347 euros. Tratamento para a Covid-19 ultrapassa dois mil euros por paciente