Automóveis com quatro rodas, portas e assentos todos fazem, pelo que o que torna os modelos da Tesla distintos não é a sua qualidade de construção ou o seu design, é sim a sua capacidade de inovar e surpreender, para oferecer mais e melhor do que os rivais. Vem isto a propósito do novo Tesla Roadster, o desportivo que é proposto por 150.000 dólares, cerca de 133 mil euros, mas que promete ser mais rápido do que muitos hiperdesportivos que exigem mais de 2 milhões de euros.

O Roadster terá, alegadamente, 200 kWh de capacidade de bateria, o que lhe vai permitir 1000 km de autonomia, valores nunca imaginados como possíveis. Mas não é isso que nos interessa de momento. O que está em cima da mesa é a sua capacidade de aceleração e até a sua eficácia em curva, uma vez que Elon Musk, o CEO da Tesla e da SpaceX, decidiu que a indústria dos foguetões iria dar uma mão aos automóveis desportivos.

Este cruzamento entre as duas empresas de Musk deverá permitir que o Roadster seja o primeiro carro – com a Tesla a inovar mais uma vez, apesar de ter apenas oito anos como fabricante de automóveis – a recorrer a jactos de ar frio. Estes servirão, ao que tudo indica, para incrementar a capacidade de aceleração, bem como a eficiência em curva, recorrendo a pequenos impulsos similares aos que as naves espaciais utilizam no espaço para manobrar.

A tecnologia é tudo menos simples e fácil de “domesticar”, sendo aqui que entra a SpaceX que, apesar de não usar este tipo de jactos, usa outros mais potentes, mas com reacções similares. O canal de YouTube Engineering Explained, de Jason Fenske, analisa o potencial dos jactos de ar frio, tentando determinar o contributo que poderão ter na capacidade de aceleração do Roadster. Segundo Jason, o desportivo da Tesla pode ir de 0-97 km/h em apenas um segundo, algo que seria impensável há meses atrás! Veja o vídeo, que tem tanto de curioso como de didáctico, como aliás é habitual nos trabalhos de Jason.