Portugal registou, nas últimas 24 horas, mais 186 casos de infeção pelo novo coronavírus (ontem tinham sido 290). De acordo com os dados avançados este sábado pelo boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), morreram mais quatro pessoas, o valor mais alto desde há uma semana — a 31 de julho, tinham sido reportadas oito mortes. O número total de vítimas mortais é agora de 1.750. Estão dadas como recuperadas 38.364 pessoas, mais 343 do que no dia anterior.

Os dados permitem ainda concluir que desde 20 de março que não havia tão poucos doentes nos cuidados intensivos. Nessa data, o boletim apontava para 26 pessoas nestas unidades e 126 internadas (num total de 1.020 casos confirmados).

Este sábado, estavam em cuidados intensivos 33 pessoas (menos três do que no dia anterior), internadas 357 (mais uma do que na sexta-feira), num total de 52.537 casos confirmados. A semana passada ficou marcada por um dia, 3 de agosto, em que não foram registadas mortes por Covid-19 — a primeira vez desde que foi oficializada a primeira morte com a doença em Portugal, a 16 de março.

Lisboa foi o concelho com mais novos casos na última semana

A taxa de letalidade baixou ligeiramente face ao dia anterior, de 3,34% para 3,33%.

Duas mortes foram em Lisboa e Vale do Tejo, que tem 60,7% dos novos casos

Das quatro mortes registadas nas últimas 24 horas, duas aconteceram em Lisboa e Vale do Tejo (para um total de 613), outra na região Centro (totalizando 253) e outra no Sul (num total de 16).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Dos 186 novos casos registados no país, Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a região que concentra mais novas infeções (foram 113 nas últimas 24 horas, o que representa 60,7% dos novos casos em todo o território nacional). Seguem-se as regiões Norte (mais 49), Sul (15), Centro (5) e Açores (2). O Alentejo e a Madeira têm, cada região, mais um caso registado.

Maior aumento de casos é no grupo das pessoas entre os 40 e os 49 anos

Os novos casos são concentrados, sobretudo, nas faixas etárias entre os 40 e os 49 anos (33) e os 20 e os 29 anos (30). Seguem-se os grupos das pessoas com entre 30 e 39 anos (27), 60 e 69 anos (24), 10 e 19 anos (21) os 50 e os 59 anos (19) e nas crianças até aos nove anos (16). Nas idades entre os 70 e os 79 anos há mais oito casos, o mesmo número que na faixa etária com 80 ou mais anos.

Entre as vítimas mortais registadas este sábado está um homem que tinha entre 60 e 69 anos, um homem e uma mulher com entre 70 e 79 e outro homem com 80 ou mais anos.

Estão em vigilância pelas autoridades de saúde 37.579 pessoas e 1.475 aguardam o resultado do teste.