O Departamento de Estado norte-americano reduziu o alerta para as viagens a Cabo Verde do nível mais grave anterior, mas aconselhando à reconsideração da deslocação, devido à Covid-19, divulgou esta quinta-feira a Embaixada dos Estados Unidos na Praia.

As viagens para Cabo Verde dos cidadãos norte-americanos tinham aviso vermelho, o nível 4, de “não viajar”, emitido pelo Departamento de Estado a 7 de agosto, conforme informação consultada pela Lusa, tendo passado à classificação de nível 3, de “reconsiderar a viagem”, devido à Covid-19, a 18 de agosto.

“A pandemia apresenta riscos sem precedentes e os alertas do Departamento de Estado levam em consideração os dados mais recentes sobre os riscos relacionados com a Covid-19. Dadas as atuais condições globais, a maioria dos países ao redor do mundo está atualmente no nível 3 ou no nível 4”, lê-se no aviso do Departamento de Estado norte-americano.

Há quatro níveis de aconselhamento de viagens emitidos pelas autoridades norte-americanas, sendo que o 1 e 2 não desaconselham a sua realização.

Em relação a Cabo Verde, a informação refere que o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças norte-americano emitiu um nível 3 de alerta sanitário para o arquipélago, devido à pandemia.

Nos Estados Unidos reside a maior comunidade emigrante cabo-verdiana, estimada em mais de 200.000 pessoas.

Cabo Verde suspendeu desde 19 de março os voos internacionais, para conter a pandemia de Covid-19. A proibição mantém-se, mas os governos de Portugal e Cabo Verde acertaram a realização de corredores aéreos entre Lisboa e Praia e Mindelo, para “voos essenciais”, implementados desde 01 de agosto com a condição de realização de testes de virologia à Covid-19 nos dois sentidos.

Cabo Verde contava até 19 de agosto com um acumulado de 3.321 casos de Covid-19 diagnosticados, que provocaram 36 mortes.

De acordo com dados revelados pelo diretor nacional de Saúde de Cabo Verde, Artur Correia, a Praia, capital do país, continua a ser o “principal foco de transmissão” da doença, registando à volta de 190 casos semanais nas últimas três semanas.

Cabo Verde contabilizou uma média de 263 casos semanais de Covid-19 nas últimas sete semanas, uma descida face ao “pico” de 341 infetados há oito semanas.

Cinco meses após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no arquipélago (19 de março), as autoridades de saúde cabo-verdianas já realizaram 45.778 testes rápidos e cerca de 30.000 de PCR.

“Os dados dos testes feitos em Cabo Verde colocam o nosso país como o segundo que país que mais faz testes por um milhão de habitantes a nível do continente africano e na posição 48 em relação a todos os países do mundo”, destacou Artur Correia.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 781.194 mortos e infetou mais de 22,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.