O programa Abem, que distribui medicamentos de forma gratuita, registou um aumento de 50% do número de beneficiários desde julho de 2019, escreve o Jornal de Notícias (versão impressa). A pandemia veio acelerar o aumento de beneficiários que este programa ajuda.

Há atualmente 16 vezes mais pessoas a usufruir do programa, que faz parte da associação Dignitude, do que havia no ano de estreia, em 2016. No ano de arranque havia 954 pessoas a usufruir e agora há 16.072. No ano passado, esse valor era de 10.236.

Segundo explicou a embaixadora da Dignitude, Maria de Belém Roseira, esta ajuda depende de donativos, da participação financeira dos parceiros locais e de prémios a que a associação concorre. O programa comparticipa assim medicamentos prescritos pelo SNS, pagando a percentagem que o Estado não paga.

Por outro lado, à semelhança do que aconteceu com os incêndios de Pedrógão Grande, a associação criou um fundo de emergência exclusivamente para ajudar pessoas que perderam o emprego ou sofreram um corte no salário devido à pandemia — e que não se enquadravam nos requisitos para entrarem no programa titular já que a avaliação é feita a partir de documentos como a declaração de IRS do ano anterior. Em julho, adianta o JN, havia 460 beneficiários deste novo fundo, o fundo Abem Covid-19.